As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Síria: Mulheres entram em grupo paramilitar para lutar por Assad

Redação Internacional

04 de fevereiro de 2013 | 07h00

Por Fernanda Simas

Após 22 meses de conflito na Síria, mulheres começam a ser treinadas e armadas e formam o grupo paramilitar “Leoas da Defesa Nacional” para lutarem pelo presidente, Bashar Assad. Vídeos da rede de notícias RT, publicados no Youtube, mostram sírias sendo treinadas e gritando slogans como “Esteja preparada Síria. Vamos levantar Assad” e “com nosso sangue e nossa alma vamos lhe proteger Assad.”

O grupo surge após especulações de que o governo sírio estaria perdendo força no conflito que já deixou 60 mil mortos, segundo a ONU. Durante o levante contra o presidente Assad, milhares de militares desertaram e se uniram aos rebeldes, que lutam pelo fim do regime. Entre os desertores, estão oficiais de alta patente e próximos ao presidente.

Leia também:
Acnur alcança região em posse dos rebeldes no norte da Síria pela 1.ª vez
Países concordam em doar mais de US$1,5 bi em ajuda para sírios, diz ONU
Líder da oposição síria se diz pronto para diálogo

As integrantes do grupo, chamado “Leoas da Defesa Nacional”, são treinadas, em Homs, para usar armamento pesado e proteger pontos estratégicos do país. “Eu sou uma empregada, mas penso que é bom aprender como usar uma arma e proteger meu país”, diz uma recruta para a reportagem da RT.

Mais de 500 mulheres já integram o grupo. Em outro vídeo, publicado por ativistas sírios no Yotube, mostra algumas mulheres já em atividade, armadas e protegendo uma região da cidade de Homs.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: