Testemunhas descrevem suspeito de planejar ataques em Paris como simpático
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Testemunhas descrevem suspeito de planejar ataques em Paris como simpático

Após os atentados, testemunhas afirmam que Salah Abdeslam teria comido batatas fritas e usado maconha com alguns estudantes na periferia da cidade

Redação Internacional

16 Junho 2016 | 13h01

PARIS – Poucas horas depois do início dos atentados de 13 de novembro em Paris, Salah Abdeslam, único membro sobrevivente do comando extremista, comeu batatas fritas com estudantes na periferia da cidade e foi descrito por seus companheiros como um homem simpático, segundo testemunhas.

Abdeslam deixou três homens-bomba no Stade de France e abandonou seu carro na região norte de Paris. Depois, passou a noite em Chatillon, subúrbio no sul da capital, onde foi encontrado seu cinturão de explosivos 10 dias depois dos ataques.

“Estávamos comendo nosso hambúrguer com dois amigos quando o vimos chegar. Parecia um cara normal, que não tinha nada para fazer. Começamos a conversar, era simpático, e depois foi embora”, contou Tom, de 17 anos, a um jornalista da revista francesa L’Obs. O adolescente se encontrava com dois amigos nas escadas de acesso a um prédio, perto do metrô de Chatillon.

Outra testemunha explicou à rede BFM TV que Salah Abdeslam disse que se chamava Abdel. “Tinha sotaque belga. Fez com que adivinhássemos sua idade. Tinha 26 anos. Usava um casacão acolchoado”, recordou.

O extremista contou aos jovens que seu carro havia quebrado e que esperava pelos primos que iam buscá-lo pela manhã. O grupo passou parte da noite comendo batatas fritas e fumando maconha, segundo relatos de testemunhas à imprensa local.

Durante à noite, os adolescentes viram pelo celular os vídeos dos atentados. “Ele ficou vendo o vídeo no celular de um amigo nosso e não demonstrou qualquer emoção especial. Olhava e dizia que estava triste. Parecia que se deu conta do que estava acontecendo”, recordou outro estudante.

Dois dias depois, os jovens viram o rosto de Abdeslam na televisão e procuraram a polícia. Depois de quatro meses de fuga, Abdeslam foi detido em 18 de março em Molenbeek, bairro de Bruxelas, onde cresceu. /AFP