As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Três perguntas sobre o TPP

José Augusto de Castro, da Associação de Comércio Exterior do Brasil

Redação Internacional

24 Janeiro 2017 | 05h00

1. Qual o possível impacto para o Brasil do fim do TPP?
Em princípio, é positivo porque não será negativo. Se os Estados Unidos mantivessem sua participação no acordo, eles teriam uma reserva de mercado nesses 11 países, para os quais poderiam exportar sem pagar tributos. Os Estados Unidos são o principal rival dos brasileiros na exportação de produtos como soja, carne bovina, suco de laranja, entre outras coisas. Então, quando nós tentássemos competir por esses mercados, estaríamos em desvantagem. A não concretização desse acordo em princípio favorece o agronegócio no Brasil. Apesar disso, temos de lembrar sempre que em termos de logística e custos de produção, os produtos americanos continuam sendo mais baratos e portanto mais competitivos.

2. Quem é o grande beneficiado pela decisão do presidente americano?
A China, que de maneira indireta está vendo o fim da reserva de mercado nesses 11 países que formam o TPP. Esses países tinham concordado em priorizar as exportações americanas e a China, em tese, perderia força na Ásia. Então para a China com certeza essa decisão do novo presidente é muito positiva.

3. Quem sai mais prejudicado com essa medida de Trump?
Sem dúvida o Japão e outros países do Sudeste Asiático. Esse bloco foi criado para ser uma alternativa à China. Os Estados Unidos também poderiam ser, mas o nível tarifário dos americanos já é bastante baixo.

Trump discursa após prestar juramento como presidente dos EUA - Foto: NYT

Trump discursa após prestar juramento como presidente dos EUA – Foto: NYT

Mais conteúdo sobre:

TPPDonald Trump