Trump fala de Cuba e Venezuela ao proclamar Mês da Herança Hispânica
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Trump fala de Cuba e Venezuela ao proclamar Mês da Herança Hispânica

Presidente americano falou que governo trabalha para 'avançar e manter democracia na região' e 'garantir comércio livre e justo com parceiros'; ele exaltou papel dos hispânicos desde os primeiros dias dos EUA, apesar de diferir em tom e conteúdo de seu antecessor

Redação Internacional

14 Setembro 2017 | 12h09

WASHINGTON – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, proclamou na quarta-feira seu primeiro Mês da Herança Hispânica, que começará nesta sexta-feira, fazendo referências a “garantir” os direitos humanos em Cuba e na Venezuela e a “manter a democracia” na região.

“Para garantir um futuro mais próspero, uma América livre, estamos trabalhando para avançar e manter a democracia na região e garantir um comércio livre e justo entre nossos parceiros regionais”, disse Trump na proclamação.

Trump mudou radicalmente o tom da proclamação do Mês da Herança Hispânica em comparação com seu antecessor, Barack Obama (EFE/SHAWN THEW)

Trump mudou radicalmente o tom da proclamação do Mês da Herança Hispânica em comparação com seu antecessor, Barack Obama (EFE/SHAWN THEW)

“O meu governo está dedicado a garantir os direitos humanos em Cuba e na Venezuela, e a fortalecer os laços culturais e filosóficos com nossos parceiros latino-americanos”, acrescentou.

Sobre os hispânicos, protagonistas do mês em questão, Trump disse que “desde os primeiros dias dos Estados Unidos (…) exerceram um papel proeminente e importante”, ao acrescentar que hoje em dia “continuam encarnando esse espírito pioneiro”.

“Os hispânicos americanos são uma prova da promessa que qualquer um pode progredir nos Estados Unidos se trabalhar duro”, afirmou.

Esta proclamação do Mês da Herança Hispânica, a primeira de Trump na Casa Branca, difere muito em tom e conteúdo das do governo que lhe antecedeu.

No ano passado, o ex-presidente Barack Obama aproveitou esta data para defender os indocumentados como americanos “em todos os níveis, exceto por um pedaço de papel”, algumas referências que Trump eliminou.

“A extraordinária história da nossa nação começou com a imigração. Hoje devemos continuar cumprindo a promessa da nossa nação nas vidas de todas as pessoas, incluindo aquelas que são americanas em todos os níveis, exceto por um pedaço de papel”, declarou Obama na ocasião.

A comemoração do Mês da Herança Hispânica, que se iniciou em 1968 como a Semana de Herança Hispânica durante a presidência de Lyndon Johnson e mais tarde foi estendida em 1988 a todo um mês pelo então presidente Ronald Reagan, tem o objetivo de destacar a cultura, as conquistas e os desafios desta comunidade nos Estados Unidos.

O 15 de setembro, data que marca o início das comemorações, é o dia em que Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua festejam sua independência da Espanha.

Hillary

Trump também acusou sua ex-adversária, a democrata Hillary Clinton, de “culpar todos – e tudo – menos a ela própria” por sua derrota nas eleições presidenciais do ano passado.

As palavras de Trump coincidiram com uma entrevista de Hillary à “CNN”, em razão do lançamento do seu novo livro “What Happened” (O que aconteceu, em tradução livre), no qual ela fala sobre sua derrota para o republicano.

“A desonesta Hillary Clinton culpa a todo o mundo (e a todos) menos a ela mesma pela sua derrota eleitoral. Perdeu os debates e perdeu a direção!”, escreveu Trump em sua conta no Twitter minutos após a entrevista de Hillary à emissora.

Na ocasião, ela disse que foi derrotada a apenas uma semana das eleições, no dia em que o ex-diretor do FBI, James Comey, anunciou que reabria a investigação contra elas por conta do caso dos e-mails: “Esse foi o dia decisivo, pois parou meu momento”. / EFE