As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um clérigo russo contra Elton John

Redação Internacional

03 de outubro de 2013 | 13h51

Uma dupla de apresentações do cantor britânico Elton John acirrou a polêmica em torno da lei antigay promovida pelo presidente russo Vladimir Putin. Após uma série de declarações de grupos antigays,  um imã muçulmano de origem tártara deu nesta quinta-feira, 3, comparando o trabalho do cantor a “uma tentação do diabo”.

Tudo começou quando o amigo da princesa Diana disse no mês passado ao jornal The Guardian que tinha a obrigação de apoiar os gays russos em sua luta contra a legislação durante os shows que fará no país em dezembro.

Nesta quinta-feira, o imã Seidzhagfar Lutfullin, conhecido pelas declarações incendiárias, deu uma entrevista ao jornal Nezavisima Gazeta, no qual pediu aos fiéis que boicotem o show e não cedam às tentações do diabo.

“A única coisa que podemos fazer como fiéis é pedir que as pessoas não caiam na tentação do diabo e não assistam aos concertos de Elton John na Rússia”, disse o imã da Mesquita de Kazán, segundo a France Presse. “O castigo divino por participar de caldeirão de sodomia cairá sobre os que assistirem ao concerto.”

Outros grupos organizados contrários aos gays também têm se pronunciado contra a apresentação do pianista britânico. Um grupo de pais chegou a pedir a Putin o cancelamento do show.

Após décadas de alguma tolerância com o movimento gay, o governo russo sancionou em junho a lei que proíbe a “propaganda homossexual diante de menores”, impondo multas ou penas de prisão para quem, por exemplo, ostentar a bandeira colorida do movimento. Na prática, fazer uma parada gay ou um ato isolado de protesto pode ser enquadrado como crime.

A partir de então, um ambiente de clandestinidade tomou as atividades cotidianas dos homossexuais. No mês passado, a Inter do Estadão publicou duas reportagens sobre a questão. Uma  sobre a repressão aos gays e outra sobre as baladas secretas de Kazan, a mesma cidade do imã antigay.

O curioso é que essa  a primeira apresentação está longe de ser a primeira de Elton John na Rússia.  Antes do fim da Guerra Fria, em 1979,  o pianista já era um dos artistas ocidentais que tocavam na União Soviética.  Nessa turnê, John disse ter tido um relacionamento com seu tradutor russo no hotel em Moscou.

Com o fim da Guerra Fria, a frequência de shows só aumentou. A última apresentação do músico em Moscou ocorreu em 2011.  Deste concerto, fiquem com a ótima Tiny Dancer, da trilha sonora do filme Quase Famosos:

 

Tudo o que sabemos sobre:

Elton JohnRússiaVladimir Putin

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.