As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vendas de tacos e cassetetes pela internet sobem 5.000% na Grã-Bretanha

João Coscelli

09 de agosto de 2011 | 22h02

As vendas de tacos de beisebol e cassetetes aumentaram mais de 5.000% nas últimas 24 horas no braço britânico do site de vendas Amazon. Os dados vêm à tona no momento em que Londres e várias outras cidades vivem dias de protestos e violência entre manifestantes e as forças de segurança.

Sete dos dez itens mais visualizados e vendidos na seção de esportes do site eram tacos de beisebol de variados tipos. Desde a segunda-feira, quando os distúrbios se agravaram na capital britânica, as vendas cresceram entre 1.756% e 5.149%.

 Um “bastão telescópico militar”, descrito pelo fabricante como efetivo para “autodefesa com alcance extra”, era o 110º item preferido entre os oferecidos na seção de esportes. Há 24 horas, a mercadoria ocupava a 5.266ª posição na preferência dos compradores. Não é possível, porém, ver quantos produtos foram vendidos.

 Muitos londrinos ainda se questionam como os manifestantes conseguiram saquear e espalhar o caos pela cidade durante as últimas noites, criticando a polícia que, mesmo reforçada, não conseguiu coibir as ações violentas. As autoridades prometeram uma “reação robusta”, que pode incluir o uso de balas de borracha para evitar o agravamento dos distúrbios. 

A onda de violência, iniciada no sábado, teve como estopim a morte de um vigia, baleado por policiais em Tottenham, no norte de Londres. Desde então os distúrbios cresceram e se espalharam, mas políticos e civis alegam que muitas pessoas se juntaram aos tumultos apenas para participar dos saques, no que se tornaram eventos de “vandalismo puro e sem razão”.

Reuters

Veja também:
blog Twitteiro cria site para identificar saqueadores
blog RADAR GLOBAL:
Conte-nos sua história
som ÁUDIO: Brasileiros relatam situação tensa na cidade
som ÁUDIO: Não há registros de brasileiros feridos
mais imagens GALERIA: Veja imagens da violência

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.