Reuters
Reuters

2009 já é o ano com mais mortes para os EUA no Afeganistão

Morte de quatro soldados eleva para 295 as baixas americanas no país desde a invasão no país, em 2001

REUTERS

25 de agosto de 2009 | 11h25

A morte de quatro militares norte-americanos numa explosão nesta terça-feira, 25, fez de 2009 o ano com mais vítimas fatais para os EUA no Afeganistão desde o início da guerra no país, em 2001. O incidente mostra que a violência continua piorando no Afeganistão, que vive um limbo político desde a eleição presidencial da semana passada.

 

Veja também:

linkKarzai tem pequena liderança nos primeiros resultados parciais

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

lista Perfil: Hamid Karzai é favorito à reeleição no Afeganistão

lista Perfis: Ex-ministros são os principais rivais de Karzai

video TV Estadão: Correspondente do 'Estado' vai ao local de atentado no Afeganistão

mais imagens Fotos: Galeria de imagens do clima eleitoral 

As autoridades afegãs divulgaram ainda na terça os primeiros resultados parciais da eleição, mas essa amostragem não deve bastar para acabar com a crescente divergência entre os candidatos rivais acerca do resultado. O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, mantinha feira uma vantagem apertada sobre o candidato rival Abdullah Abdullah, com cerca de 10% dos votos apurados, informou a comissão eleitoral do país. O chefe da comissão eleitoral, Daoud Ali Najafi, disse à imprensa que Karzai tem 41% dos votos, contra 39% de Abdullah Abdullah. Karzai precisa de maioria simples, de mais de 50%, para evitar um segundo turno.

 

A eleição também serve de teste para a estratégia do presidente dos EUA, Barack Obama, que fez do Afeganistão sua prioridade na política externa e para lá enviou mais de 30 mil soldados adicionais. Agora há no país mais de 100 mil soldados ocidentais, sendo 63 mil norte-americanos.

Em nota, a Otan disse que quatro militares dos EUA foram mortos por uma bomba deixada em uma estrada no sul do país, reduto da milícia islâmica Taleban. Não foram divulgados detalhes do incidente. Com isso, sobe a 295 o número de militares dos EUA mortos neste ano no país, segundo o site icasualties.org, que compila dados oficiais. Em todo o ano passado, que havia sido o mais letal para as forças norte-americanas, foram 294 mortos.

O número de mortes cresce devido à investida das tropas norte-americanas - junto com colegas britânicos - em territórios antes ocupados pelo Taleban. Mais soldados morreram desde março, especialmente por causa de bombas em estradas, do que em todo o período de 2001 a 2004.

Há temores de que uma demora nos resultados eleitorais poderia provocar ainda mais instabilidade. Na noite de segunda-feira, o ministro afegão das Finanças, Hazrat Omar Zakhilwal, disse ter recebido cifras oficiais que davam ao presidente Hamid Karzai 68% dos votos, apurados, o que evitaria um segundo turno em outubro. Mas a campanha do candidato Abdullah Abdullah, maior rival de Karzai, disse que esses números são falsos. Abdullah afirma estar na liderança, e aponta fraudes em favor de seu adversário.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAfeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.