81% dos americanos acham que país segue direção errada

Crise econômica é apontada com o principal fator de reprovação; para 78%, EUA estão piores do que há 5 anos

The New York Times e Associated Press,

04 de abril de 2008 | 09h31

Mais de 80% dos americanos acreditam que o país é liderado na direção errada, segundo uma pesquisa CBS News-New York Times divulgada nesta sexta-feira, 4. O índice é o mais alto desde o início dos anos 1990. Na sondagem publicada pelo jornal americano, 81% dos consultados afirmaram que "as coisas seriamente tomaram o caminho errado". O resultado supera os 69% que manifestaram a mesma opinião no ano passado e é mais do que o dobro dos 35% apontados em 2002.   Apesar da opinião pública já ser influenciada pela impopular guerra do Iraque, os índices se mostraram ainda piores nos últimos meses com a aparente recessão econômica. Agora, tornou-se um consenso nacional que o país enfrenta problemas significantes. A aprovação do presidente americano, George W. Bush, não mudou desde a última pesquisa, mostram que apenas 28% aprovam o seu governo.   Grande parte dos 81% consultados - democratas e republicanos, homens e mulheres, moradores de cidades e áreas rurais, pessoas com formação universitária ou apenas com estudo básico - afirmaram que o país segue na direção errada. 78% dos entrevistados disseram ainda que os EUA estão piores do que há 5 anos. Apenas 4% afirma que o país está melhor. Cerca de 21% apontaram que a economia americana está em boas condições, número mais baixo desde 1992. Dois em cada três consultados declararam ainda que acreditam que a economia está em recessão.   Quando a campanha presidencial começou no ano passado, a guerra no Iraque e o terrorismo eram as maiores preocupações dos americanos. Em dezembro, cerca de 30% apontaram o terror como u, dos temas que mais causavam problemas ao país. Nesta sondagem, apenas 17% optaram pela guerra ou o terrorismo como a maior preocupação, enquanto 37% escolheram a economia e o mercado de empregos. Ela aponta ainda que os americanos culpam o governo pela crise bancária e imobiliária.   A pesquisa por telefone consultou 1.368 adultos entre 28 de março e 2 de abril. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.