Acidente em outra mina de carvão mata três nos EUA

Causas da fatalidade em Indiana ainda não foram apuradas e indentidade das vítimas permanece indefinida

Efe,

10 de agosto de 2007 | 17h08

Três mineiros morreram em um acidente ocorrido em uma mina de carvão de Princeton, no sul do estado de Indiana (EUA), informou a CNN nesta sexta-feira, 10. O acidente, ocorrido enquanto os operários cavavam uma fossa para a mina, não teve suas causas apuradas e as identidades das vítimas ainda não foram reveladas.   Este é o segundo acidente sério em uma mina nos EUA em menos de uma semana. No estado de Utah, prosseguem os trabalhos de resgate para localizar seis mineiros que permanecem presos em uma mina de carvão desde segunda-feira passada.   As autoridades do condado de Gibson (Indiana), no qual aconteceu o acidente, confirmaram as três mortes, embora não tenham especificado se os mortos são mineiros ou trabalhadores da construção, e descartaram a hipótese da explosão.   A Polícia de Princeton disse que o acidente ocorreu durante a manhã, em uma zona onde estava sendo construída uma passagem de ar na mina. "Neste momento, temos pessoas buscando os corpos, e sabemos que não houve nenhuma explosão", disse à CNN o chefe da Polícia de Princeton, Mike Hurt.   A mina se encontra situada a 4,8 quilômetros ao oeste de Princeton, e a zona onde se construía a passagem de ar está a entre 16 e 19 quilômetros desta cidade, localizada no condado de Gibson. Segundo a imprensa, várias ambulâncias e equipes de bombeiros já estão no local do acidente.   Já em Utah, as equipes de resgate conseguiram hoje introduzir um microfone na câmara subterrânea na qual se acredita que estão os seis trabalhadores, mas por enquanto nenhum som foi captado.   As autoridades de Utah acreditam que os mineiros se encontram isolados em uma abóbada relativamente grande, e por isso o microfone poderia ter chegado a uma zona longe de onde estão. Mesmo assim, os especialistas afirmam que os mineiros, três deles mexicanos, deveriam ter ouvido o barulho das perfuradoras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.