AFP
AFP

Acusado de massacre em cinema nos EUA enviou caderno a psiquiatra

James Holmes teria escrito e desenhado como iria matar as pessoas

estadão.com.br,

25 de julho de 2012 | 16h15

AURORA - James Holmes, acusado pelo massacre em um cinema nos Estados Unidos, enviou um caderno "cheio de detalhes sobre como iria matar pessoas" a um psiquiatra da Universidade do Colorado antes do ataque, informou a FoxNews.com nesta quarta-feira, 25.

Veja também:

link Proprietários de armas nos EUA apoiam restrições, diz pesquisa

link Estúdio Warner Brothers fará doação às vítimas do massacre no Colorado

O pacote permaneceu fechado na sala do correio uma semana antes de ser descoberto. Segundo a notícia da FoxNews.com, agentes da polícia e do FBI foram chamados ao campus médico de Anschutz, da Universidade do Colorado, em Aurora, na manhã dessa segunda-feira depois que o psiquiatra, que também é professor da escola, relatou ter recebido um pacote, que acreditava ser do suspeito. 

A polícia verificou que esse primeiro pacote era de outra pessoa, mas em uma busca na sala dos correios do campus encontrou outro pacote enviado ao psiquiatra , dessa vez com o nome de Holmes no remetente, disse uma fonte de segurança à FoxNews.com.

Após obter um mandado de busca, a polícia levou o pacote e verificou o que continha. A FoxNews.com citou sua fonte dizendo: "Dentro do pacote havia um caderno repleto de detalhes sobre como ele ia matar as pessoas. Havia desenhos do que ele faria, como desenhos e ilustrações do massacre."

A polícia diz que Holmes, usando uma máscara de gás e portando três armas, abriu fogo contra a plateia durante a exibição do filme "Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge" em Aurora, no subúrbio de Denver, matando 12 pessoas e ferindo outras 58.

Holmes foi preso imediatamente depois do ataque na frente do cinema e compareceu pela primeira vez ao tribunal na segunda-feira. As autoridades planejam indiciá-lo no dia 30 de julho.

Com Reuters

Mais conteúdo sobre:
EUAatentadoJames HolmesAurora

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.