Acusadora de Strauss-Kahn inclui nova alegação em processo nos EUA

Advogados da camareira de hotel que acusa Dominique Strauss-Kahn de violência sexual acrescentaram nesta terça-feira uma nova alegação no processo civil contra o ex-diretor do FMI, valendo-se de uma obscura lei municipal de Nova York sobre "violência motivada pelo gênero".

REUTERS

22 Maio 2012 | 20h19

"O réu cometeu um 'crime de violência' contra a autora da ação por ela ser mulher e, ao menos em parte, porque ele tem um ânimo contra mulheres", diz a nova versão da ação, protocolada em um tribunal do Bronx, onde vive a camareira Nafissatou Diallo.

A nova acusação permite que a defesa use alusões ao passado sexual do político francês, o que às vezes é considerado inadmissível e irrelevante se não tiver ligação direta com as intenções do réu.

"Como um dos elementos da prova desta acusação é mostrar que a intenção da agressão se baseou no gênero, será muito mais fácil para nós introduzirmos outros atos sexuais não-consensuais para mostrar que Strauss-Kahn os cometeu contra mulheres por causa do seu gênero", disse Douglas Wigdor, um dos advogados da acusadora.

Os advogados de Strauss-Kahn não comentaram a notícia.

Em maio de 2011, Strauss-Kahn foi preso quando se preparava para deixar Nova York, depois de ser acusado pela camareira de obrigá-la a fazer sexo oral. O processo criminal foi arquivado por causa de dúvidas sobre a credibilidade de Diallo, mas a ação civil prossegue.

Depois desse incidente, que levou Strauss-Kahn a renunciar à chefia do Fundo Monetário Internacional e desistir de disputar a Presidência da França, o nome do político apareceu vinculado a outros escândalos sexuais no seu país.

(Reportagem de Joseph Ax)

Mais conteúdo sobre:
EUADSKACUSADORA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.