'Afogamento' utilizado em prisão não é tortura, diz Bush

Presidente ameaça vetar projeto que proibiria método que mergulha prisioneiro de cabeça para baixo

Efe,

15 de fevereiro de 2008 | 12h53

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, se referiu aos atentados de Londres de 7 de julho de 2005 para justificar uma técnica de interrogatório de suspeitos terroristas, conhecida como "waterboarding" (afogamento simulado), em entrevista concedida à BBC nesta sexta-feira, 15.   Bush disse que a informação obtida de supostos terroristas ajudou a salvar vidas e considerou que os familiares das vítimas daqueles ataques o entenderão.   O método, que causou grande polêmica já que é visto como uma forma de tortura, consiste em pendurar o prisioneiro de cabeça para baixo e descê-lo até o pescoço em um recipiente com água, causando a sensação de sufocamento.   No entanto, o presidente americano disse na entrevista exibida na BBC World News America, que o "waterboarding" não é tortura e ameaçou vetar o projeto do Congresso que o proibiria.   Acrescentou que seu país atua em virtude da lei para interrogar e obter informação que permita proteger os EUA e outros países.   "Os EUA atuarão dentro da lei. Iremos nos assegurar de que os profissionais têm os instrumentos necessários para fazer seu trabalho dentro da lei", afirmou Bush.   "Alguns dirão que estes terroristas já não são um ameaça real contra os EUA. Eu não estou absolutamente de acordo", disse Bush.   Nos atentados de 7 de julho de 2005 contra três trens do metrô de Londres e um ônibus urbano, 56 pessoas morreram - quatro delas terroristas suicidas - e cerca de 700 ficaram feridas.   Por outro lado, Bush disse que pretende assistir aos Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto, e admitiu que mantém contatos regulares com o presidente da China, Hu Jintao, para pedi-lo que faça um esforço maior em relação à tragédia humanitária de Darfur, no Sudão.   "Vejo os Jogos Olímpicos como um evento esportivo", esclareceu o presidente.   Nos últimos dias, o cineasta Steven Spielberg, vários ganhadores do prêmio Nobel da Paz, atores, esportistas e parlamentares criticaram a China por sua política de apoio ao Governo do Sudão.

Tudo o que sabemos sobre:
Bushterrorrismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.