Agência de espionagem dos EUA coleta dados sobre localização de celulares mundialmente

Reportagem do 'Washington Post' aponta que registros alimentam banco de dados que armazena informações sobre os locais de 'pelo menos centenas de milhões de dispositivos'

Reuters

04 de dezembro de 2013 | 22h06

A Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos reúne cerca de 5 bilhões de registros por dia sobre a localização de telefones celulares em todo o mundo, incluindo os de alguns norte-americanos, de acordo com reportagem do jornal Washington Post nesta quarta-feira, citando fontes e documentos obtidos pelo ex-agente de espionagem Edward Snowden.

Os registros alimentam um banco de dados que armazena informações sobre os locais de "pelo menos centenas de milhões de dispositivos", disse o jornal, de acordo com documentos ultrassecretos e entrevistas com funcionários da inteligência.

A reportagem afirmou que a NSA não busca intencionalmente dados de norte-americanos, mas recebe uma quantidade substancial de informações sobre o paradeiro de telefones celulares domésticos "incidentalmente".

Um gerente disse ao jornal que a NSA obteve "grandes volumes" de dados de localização ao ter acesso aos cabos que conectam redes móveis mundialmente e que servem celulares dos Estados Unidos, bem como estrangeiros.

Autoridades de inteligência dos EUA contatados pela Reuters não quiseram comentar a reportagem do Post.

A reportagem citou autoridades dizendo que os programas que coletam e analisam informações de localização são legais e destinados exclusivamente a desenvolver a inteligência em alvos externos.

A ampla coleta de dados telefônicos e de Internet pelas agências de inteligência dos EUA tem sido objeto de escrutínio desde que Snowden começou a vazar informações, em junho, mostrando que a vigilância era muito mais extensa do que a maioria dos norte-americanos pensava.

(Reportagem de Patricia Zengerle e Mark Hosenball)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAESPIONAGEMMUNDIAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.