Agência impediu ataque semelhante a 11 de setembro, diz CIA

Segundo fontes da inteligência, atentado seria contra aviões de passageiros em Londres em 2006

Efe,

14 de novembro de 2008 | 02h14

Os organismos de inteligência dos Estados Unidos desbarataram uma conspiração de grupos terroristas para cometer um atentado similar ao de 11 de setembro de 2001, assegurou nesta quinta-feira, 13, o diretor da CIA (agência central de inteligência americana), Michael Hayden. Em discurso no Conselho do Atlântico em Washington, Hayden disse que a ação teria causado "uma destruição similar à do 11 de Setembro". Em 11 de setembro de 2001, 19 terroristas seqüestraram quatro aviões de passageiros e jogaram dois deles contra as torres gêmeas do World Trade Center em Nova York. Outro avião foi lançado contra o edifício do Pentágono em Washington e o quarto caiu sobre uma região desabitada do estado da Pensilvânia. Nesses ataques, os mais graves na história americana, cerca de três mil pessoas morreram. Hayden não deu detalhes sobre a conspiração, mas fontes dos organismos de inteligência citadas pela rede de televisão ABC disseram que se referia a um ataque contra aviões de passageiros em Londres em 2006. O atentado de 11 de Setembro foi atribuído à organização terrorista Al-Qaeda, liderada por Osama bin Laden, que, segundo Hayden, "está vivo" e aumentou sua segurança. Em seu discurso, sobre a luta travada pelos EUA contra a Al-Qaeda, o diretor da CIA afirmou que a organização "sofreu graves revezes, mas é um inimigo decidido e adaptável como nenhum outro que este país jamais enfrentou". No entanto, Bin Laden "parece estar cada vez mais isolado das operações da organização que lidera", acrescentou. Iraque Sobre a luta contra a Al-Qaeda no Iraque, Hayden disse que a organização "está à beira da derrota estratégica" nesse país e teve que tirar seus membros de território iraquiano. Como exemplo, o diretor da CIA afirmou que grupos filiados à Al-Qaeda nas Filipinas, na Indonésia e na Arábia Saudita foram desmantelados, mas as células da organização estão surgindo em outros lugares. Alguns elementos antigos da Al-Qaeda também "estiveram envolvidos no planejamento de ataques na Europa e nos Estados Unidos", disse Hayden. No entanto, a campanha para capturar ou matar Bin Laden iniciada após os ataques de 11 de Setembro segue em frente sem pausas, enfatizou o diretor da CIA. "Sua morte ou captura sem dúvida teria um grande impacto na confiança dos seguidores da Al-Qaeda e de outros grupos terroristas no mundo todo", indicou. Hayden também explicou que o fracasso desses esforços se deveu a que o líder terrorista se refugiou em um território "agreste e inacessível" da fronteira do Afeganistão e do Paquistão. Além disso, foi fruto dos esforços que adotou para evitar ser encontrado, acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.