Agentes da Blackwater entregam-se por massacre em Bagdá

Cinco seguranças americanos são acusados de abrir fogo indiscriminadamente que matou 17 civis no Iraque

Associated Press e Efe,

08 de dezembro de 2008 | 13h25

Cinco agentes da empresa de segurança privada Blackwater entregaram-se nesta segunda-feira, 8, à justiça americana. O grupo é suspeito de participação num massacre indiscriminado de iraquianos ocorrido em setembro do ano passado em um movimentado cruzamento de Bagdá.   Os cinco guardas, todos ex-soldados, foram formalmente acusados no sábado pelo Departamento de Justiça do massacre ocorrido em setembro de 2007 em Bagdá, no qual faleceram 17 civis iraquianos, enquanto um sexto suspeito está negociando uma regra com o governo. Os mercenários foram indiciados por homicídio por um tribunal de Washington, mas entregaram-se na manhã desta segunda numa corte federal no Estado de Utah. Os réus querem que a jurisdição do caso passe para Salt Lake City, no Estado, onde acreditam que seriam julgados por um júri mais conservador e provavelmente mais favorável à guerra no Iraque.   A Blackwater sustenta que seus seis empregados dispararam após serem atacados em 16 de setembro de 2007 em um cruzamento de avenidas na capital iraquiana onde havia muitos pedestres e um intenso trânsito de veículos. No entanto, uma investigação do governo iraquiano concluiu que os agentes abriram fogo contra a multidão sem motivo nem provocação.   Uma investigação militar americana também concluiu que os agentes de segurança foram os únicos que abriram fogo, contradizendo a afirmação da Blackwater. O incidente pôs em xeque o papel das empresas de segurança terceirizadas pelo Departamento de Estado dos EUA e a suposta imunidade com que operavam no Iraque.   A Blackwater é uma firma americana que emprega, principalmente, ex-soldados e ex-policiais, e fornece guarda-costas e unidades mercenárias de operações táticas em diversas partes do mundo. No Iraque, à parte dos quase 150 mil soldados americanos, há mais de 125 mil "seguranças privados" empregados por dezenas de firmas e que dão desde apoio técnico até serviços de cantina, coleta de resíduos, custódia de instalações, proteção de funcionários e companhia armada para comboios.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.