Al Qaeda está perto da derrota, diz chefe da CIA

A Al Qaeda está essencialmentederrotada no Iraque e na defensiva no restante do mundo, disseo diretor da CIA, Michael Hayden, em uma entrevista ao jornalWashington Post, na sexta-feira. A avaliação positiva vem menos de um ano depois que a CIA,a agência de inteligência norte-americana, alertou para apossibilidade de novos ataques por parte de uma Al Qaedaemergente. "Comparando, estamos indo muito bem", disse Hayden aojornal nesta semana, citando os grandes ganhos contra a rede deOsama Bin Laden e seus aliados. "(Estamos) perto de uma derrota estratégica da Al Qaeda noIraque. Perto de uma derrota estratégica na Arábia Saudita.Recuos significativos para a Al Qaeda global -- e, aqui, vouusar a palavra "ideologicamente", já que boa parte do mundoislâmico rejeita o islamismo do grupo", disse Hayden.Autoridades norte-americanas responsabilizam a Al Qaeda pelamaior parte dos grandes bombardeios no país, incluindo umataque a um santuário em Samarra, em fevereiro de 2006, eventoque despertou uma série de matanças sectárias que deixam oIraque à beira da guerra civil.Hayden disse ao Post que os sucessos do contraterrorismo chegamaté à fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão, região semlei onde acredita-se que Osama Bin Laden esteja escondido."A habilidade de capturar e matar membros cruciais da Al Qaedacontinua e isso os desestabiliza -- mesmo em sua maiorfortaleza, na fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão",disse Hayden. Segundo Hayden, capturar ou matar Bin Laden e seu principalaliado, Ayman al-Zawahiri, continua sendo a maior prioridade,apesar de assumir a dificuldade que tem em encontrá-los naremota região, onde as operações do Exército norte-americanosão proibidas oficialmente, disse o Post. Hayden disse que a liderança global da Al Qaeda perdeu trêsimportantes membros desde o começo do ano, dos quais dois"sucumbiram à violência" -- uma aparente referência aos ataquescom mísseis feitos pela Força Aérea no Paquistão, segundo oPost. O chefe da CIA também citou a derrota das "atividades detreinamento" na região, mas não deu detalhes, disse o jornal. Apesar do otimismo, o Washington Post disse que Hayden semostrou preocupado com a possibilidade do progresso contra a AlQaeda ser interrompido ou revertido devido ao que ele chama decomplacência recente, além do retorno à mentalidade anterior ao11 de Setembro. "O fato de termos deixado os norte-americanos seguros fezcom que a idéia de 'segurança' voltasse a ser o normal", disseHayden. "Nossa visão é: segurança é algo conquistado a duraspenas, a cada 24 horas." (Por JoAnne Allen)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.