Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Americano admite ter participado de ataque terrorista de 2008 em Mumbai

David Headley se declarou culpado e cooperará com o governo em investigações

estadao.com.br

19 de março de 2010 | 09h12

CHICAGO - Um americano de Chicago acusado de participar de dois atentados terroristas, inclusive o ocorrido em Mumbai, na Índia, em 2008, se declarou culpado na quinta-feira, 18, e não será mais julgado, informa o canal de notícias CNN.

 

David Headley, 49, admitiu ter participado dos ataques e aceitou as acusações de terrorismo contra ele. Segundo as autoridades, ele disse ter espionado os alvos do ataque de Mumbai, quando mais de 160 pessoas morreram, e planejou o ataque a um cartunista dinamarquês que fez uma charge com o profeta Maomé, símbolo máximo do islã.

 

Headley concordou em cooperar com as investigações do governo e depor perante um júri. Ele poderia receber pena de morte se fosse condenado em todas as suas acusações, mas com sua disposição em cooperar o governo descartou essa possibilidade. O americano, porém, não será sentenciado enquanto seu processo de cooperação não for concluído, segundo o Departamento de Justiça.

 

Segundo as autoridades, Headley foi treinado em campos no Paquistão controlados pela rede Lashkar-e-Taliba e recebeu instruções em 2005 de três membros do grupo para viajar à Índia e conduzir a operação. O Departamento de Justiça disse que ele foi para a Índia cinco vezes para planejar o ataque.

 

Headley também admitiu que em novembro de 2008, um membro da Lashkar-e-Taliba em Karachi, no Paquistão, o instruiu a vigiar os escritórios do jornal dinamarquês Morgenavisen Jyllands-Posten para preparar um ataque contra um desenhista que fez uma charge difamando o profeta Maomé. O atentado, porém, nunca ocorreu.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMumbaiterrorismoHeadley

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.