Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

ANÁLISE-EUA tentam bater Rússia em grande venda de armas à Índia

Os Estados Unidos estão sepreparando para enfrentar a Rússia e a Europa na venda debilhões de dólares em caças de combate, aviões de carga eoutros armamentos para a Índia. Para autoridades norte-americanas, as vendas para a Índia--que tem um mercado bélico potencial de 40 bilhões de dólares,incluindo sistemas de defesa aérea-- são um meio de consolidarlaços estratégicos e de estimular a cooperação militarbilateral frente à crescente influência da China. "Ao nos aproximarmos da Índia, fazemos a aposta de que ofuturo do planeta está no pluralismo, na democracia e naeconomia de mercado e não na intolerância, despotismo eplanejamento estatal", afirmou Nicholas Burns, subsecretário deEstado para assuntos políticos, numa referência velada à China. "Uma aquisição expressiva de armamentos dos Estados Unidospela Índia ... seria um grande avanço e marcaria um compromissoefetivo com uma parceria militar de longo prazo", declarou oterceiro na hierarquia do Departamento de Estadonorte-americano à publicação Foreign Affairs. Burns deu como exemplo a demanda da Força Aérea indiana por126 caças capazes de desempenhar diversas missões, um negócioestimado em 10,2 bilhões de dólares. Seis fornecedores daEuropa, Rússia e EUA vão apresentar propostas em 3 de março. As norte-americanas Lockheed Martin, com o F-16, e Boeing,com o F/A-18 Super Hornet, estão batalhando para derrotarfabricantes da Rússia, país que foi o principal fornecedor daÍndia no período da Guerra Fria. A Rússia está propondo substituir os velhos MiG peloMiG-35. Também estão na disputa o Rafale, da francesa Dassault,o JAS-39 Gripen, da sueca Saab, e o Eurofighter Typhoon,produzido por um consórcio de empresas da Grã-Bretanha,Alemanha, Itália e Espanha. No início do mês, um grupo de trabalho de alto escalão dogoverno norte-americano liberou a Lockheed Martin e a Boeing afornecer tecnologia de radar avançada como parte da propostapara a venda dos caças. "A relação está amadurecendo mais rápido do que se podiaimaginar", afirmou o militar da reserva da Força Aéreanorte-americana Jeffrey Kohler. Até agosto ele era o principaloficial do Pentágono na área de venda de armamentos e agora éassessor do Conselho Empresarial Índia-EUA, uma entidadeprivada. O especialista em comércio internacional da área de defesado Teal Group, Joel Johnson, acredita que o governonorte-americano será muito cauteloso na liberação de tecnologiaestratégica por causa dos fortes laços entre Índia e Rússia. Em outubro, Índia e Rússia firmaram um acordo para fazermodificações conjuntas na quinta geração dos caças multíusoSukhoi. Em Moscou, a empresa russa anunciou nesta quarta-feiraque deu início aos testes na linha de produção. Os vôosexperimentais devem começar em 2009. (Reportagem adicional de Aleksandr Gelogaev)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.