Anistia temporária do governo Obama não encerra luta para imigrantes

A regularização temporária de milhões de jovens imigrantes em situação irregular nos EUA os poupará da ameaça imediata de deportação, mas talvez não lhes garanta os mesmos privilégios dos residentes legais.

Reuters

17 de agosto de 2012 | 21h34

Horas depois de a nova regra federal entrar em vigor, na quarta-feira, a governadora do Arizona, Jan Brewer, baixou portaria proibindo os beneficiários da medida de tirarem carteira de motorista ou terem acesso a outros direitos.

Outros Estados ainda podem seguir o exemplo do Arizona, que já havia desafiado o governo Obama ao adotar uma rígida lei anti-imigração em 2010.

A maioria dos Estados já proíbe a concessão de Bolsas para imigrantes ilegais em universidades públicas, e a nova regra federal não altera tal situação.

As novas regras garantem uma anistia de dois anos a jovens de 15 a 30 anos que estejam radicados nos EUA desde antes dos 16. O prazo de dois anos pode ser usado para que o imigrante tente obter visto de trabalho. Obama diz que a intenção disso é liberar recursos para que seja priorizada a deportação de imigrantes com antecedentes criminais.

A oposição republicana acusa o governo Obama de ter adotado a nova política como forma de agradar ao eleitorado hispânico, que pode ser crucial na eleição presidencial de novembro.

(Por David Adams e Alex Dobuzinskis)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIMIGRANTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.