Após cancelamentos, partem voos do Brasil para Nova York

Forte nevasca causou a suspensão das decolagnes; previsão é de que situação seja normalizada ao longo desta terça-feira

Marília Lopes e Solange Spigliatti, do estadão.com.br ,

28 de dezembro de 2010 | 01h58

SÃO PAULO - Após os cancelamentos de domingo, 26, e também na manhã e tarde de segunda-feira, 27, os voos para Nova York partiram do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, durante a noite. O voo da TAM decolou às 23 horas e 20 minutos, seguido por um voo da American Airlines.

 

Veja também:

linkVoo 447: Air France é condenada a pagar R$ 1,2 milhão em indenizações

linkJuizados Especiais nos aeroportos têm movimento normal no fim de ano 

 especialConsulte seu voo no site da Infraero

 

Por conta da forte nevasca que atinge a costa leste dos Estados Unidos, muitos aeroportos ficaram fechados para pousos e decolagens. Em nota, a TAM informou que os voos que partiriam do Aeroporto de Guarulhos e também do Aeroporto Antonio Carlos Jobim, o Galeão, no Rio de Janeiro, na noite de domingo com destino a Nova York foram desviados para Miami. Segundo a companhia aérea, os passageiros foram acomodados em hotéis da cidade.

 

Durante a segunda-feira, um voo que decolaria de São Paulo às 8h45 foi cancelado. E três voos que deixariam Nova York com destino a São Paulo e Rio de Janeiro não puderam partir. A Delta Airlines e American Airlines também tiveram voos cancelados. A previsão é que ao longo desta terça-feira, os voos sejam normalizados.

 

Segundo boletim da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) desta terça, os cerca de oito voos vindos de Orlando, Miami, Atlanta, Washington, Chicago e Nova York chegaram no horário no início desta manhã. Apenas um voo da companhia Delta, vindo de Nova York, foi cancelado.

 

Atraso. Já entre as três partidas programadas para esta manhã para os Estados Unidos, um voo da Continental Airlines, para Newark, em Nova York, estava com previsão de partida com atraso de 4 horas. Segundo a Infraero, o voo deveria ter decolado na noite de segunda-feira, às 23h05, e estava previsto para partir às 9h30 de hoje. Outros dois voos da TAM, um para Nova York e outro para Miami, estavam confirmados.

 

No Rio, um voo da TAM para Miami, com escala em São Paulo, que deve partir do Aeroporto Internacional Tom Jobim durante a manhã, estava confirmado, segundo a Infraero.

 

De acordo com a BBC, os aeroportos da costa leste dos Estados Unidos começaram a reabrir nesta terça-feira, após o cancelamento de cerca de 7 mil voos no movimentado período entre o Natal e o Ano Novo.

 

Apesar da retomada dos serviços, autoridades alertam que pode levar dias para que a situação das dezenas de milhares de passageiros que ficaram presos em aeroportos seja resolvida.

 

Na avaliação de analistas ouvidos pela BBC, a tempestade de neve deve causar um prejuízo de US$ 100 milhões às companhias aéreas.

 

Caos. Os principais aeroportos da região de Nova York - JFK, LAGuardia e Newark Liberty -, além dos aeroportos internacionais de Boston e Filadélfia, reabriram na noite de segunda-feira.

 

Eles haviam ficado fechados o dia inteiro, fazendo com que os passageiros tivessem que acampar no chão dos saguões.

 

Muitos voos continuam decolando com atraso nesta terça-feira por causa dos fortes ventos e do acúmulo de neve.

 

Voos também foram cancelados em outros aeroportos do país, como os de Washington, Baltimore e Chicago.

 

Os Estados de Massachusetts, Maine, Maryland, Nova Jersey, Carolina do Norte e Virgínia declararam estado de emergência.

 

Natal branco. O serviço meteorológico americano diz que a nevasca é resultado de um sistema de baixa pressão, que se formou na costa da Carolina do Norte.

 

No Sul, Geórgia e Carolina do Sul tiveram neve durante o Natal pela primeira vez em mais de cem anos, enquanto a capital Washington DC aparentemente escapou da nevasca mais forte.

 

Em Nova York, 2,4 mil funcionários trabalhavam em turnos de 12 horas para limpar a neve nas vias da cidade.

 

O prefeito da cidade, Michael Bloomberg, aconselhou os moradores a ficar em casa: "Compreendo que muitas famílias precisem voltar após o fim de semana, mas, por favor, não peguem as estradas a não ser que seja absolutamente necessário."

 

Atuaizada às 8h. Com informações da BBC Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.