Ng Han Guan / AP/Pool
Ng Han Guan / AP/Pool

Após críticas, Biden diz que EUA e China devem ampliar cooperação bilateral

Vice-presidente americano elogia franqueza de líderes chineses em encontro em Pequim

Reuters

04 de dezembro de 2013 | 07h23

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quarta-feira que os Estados Unidos e a China devem ampliar a cooperação prática e entregar resultados, acrescentando que está impressionado com a atitude do presidente chinês, Xi Jinping, de discutir as diferenças de forma franca.  Biden fez os comentários ao vice-presidente chinês, Li Yuanchao, em encontro no Grande Salão do Povo, em Pequim.

 

Veja também:
link EUA pedem que Tóquio evite acirrar os ânimos
link De volta à Guerra Fria

A visita do vice dos EUA a Pequim acontece após a China ter anunciado a criação de uma zona de identificação e defesa aérea em uma região que inclui ilhas disputadas por Pequim com outros países, o que gerou críticas dos Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul.

O tema dominou a agenda de Biden em Tóquio na terça-feira. Na ocasião, o vice-presidente americano acusou a China de ampliar a tensão e o risco de um confronto na Ásia ao declarar unilateralmente o controle sobre o espaço aéreo de ilhas cuja soberania disputa com o Japão. Biden buscou ainda dar garantias aos japoneses de que Washington apoiará seu histórico aliado no Pacífico diante das pressões chinesas.

"Essa ação elevou as tensões regionais e ampliou o risco de acidentes e erros de cálculo", afirmou Biden. A decisão chinesa de tentar mudar o status do território marítimo disputado, além do Japão, também por Coreia do Sul e Taiwan ofuscou o propósito original da visita do vice-presidente à região.  / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EUACHINABIDEN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.