Michael Reynolds/Efe
Michael Reynolds/Efe

Após derrota no Senado, Obama quer pausar reforma na saúde

Para porta-voz do governo, o melhor é dar um tempo e examinar o 'melhor caminho a seguir'

Efe,

21 de janeiro de 2010 | 21h51

Com a perda da maioria estratégia no Senado, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, quer fazer uma pausa no projeto de reforma no sistema de saúde em vista das chances reais de que esbarre nos republicanos e não progrida no Congresso.

 

Veja também:

linkReforma não deve passar sem alterações, diz Nancy Pelosi

linkDemocratas consideram revisar projeto para aprovar reforma

linkDemocratas perdem vantagem no Senado

 

Na entrevista que concede diariamente na Casa Branca, o porta-voz Robert Gibbs disse nesta quinta-feira, 21, que, para o presidente, o melhor a ser feito é dar um tempo à reforma e examinar "o melhor caminho a seguir".

 

Os democratas tentam agora decidir a estratégia depois que o republicano Scott Brown venceu Martha Coakley e ganhou em Massachusetts o direito de ocupar a cadeira que foi de Ted Kennedy, morto em agosto passado.

 

A derrota deixa os democratas com 59 votos no Senado, um a menos que os 60 necessários para bloquear qualquer tentativa de veto da oposição republicana.

 

O Senado aprovou a reforma em dezembro passado apenas com votos democratas, mas com a perda da cadeira de Kennedy o futuro do projeto passa a ser incerto.

 

Na quarta-feira, Obama pediu aos democratas que não se precipitem para aprovar a medida e, em vez disso, se unam em torno dos "elementos principais". A declaração é um sinal de que o presidente poderia aceitar uma reforma bem diferente de seus planos.

 

Para levar adiante a reforma, grande prioridade política de Obama, os democratas estudam várias possibilidades. Uma delas é que a Câmara de Representantes abra mão do projeto de lei que aprovou em novembro e ratifique sem qualquer ressalva o do Senado.

 

No entanto, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, descartou tal possibilidade hoje ao assegurar que não conta com os votos suficientes para aprovar sem emendas a versão do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.