Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Após dois meses, Michael Jackson é sepultado em Los Angeles

Cerimônia fechada contou com presença da família e amigos como Elizabeth Taylor e Quincy Jones

04 de setembro de 2009 | 02h45

Michael Jackson foi enterrado em um caixão banhado a ouro. Foto: Reuters

 

LOS ANGELES - A família e os amigos do cantor americano Michael Jackson se despediram do "rei do pop", sepultado nesta sexta-feira, 4, no cemitério Forest Lawn, de Glendale, no condado de Los Angeles, mais de dois meses após sua morte. O enterro, que foi apenas a familiares e amigos do músico, começou com mais de uma hora e meia de atraso, por volta das 20h30 locais (0h30 de sexta-feira em Brasília).

 

Veja também:

mais imagens Veja galeria de fotos

video 'Thriller', o disco mais vendido da história

  

O sepultamento aconteceu ao ar livre em um anexo ao Terraço Sagrado do Grande Mausoléu do cemitério, onde se encontra o túmulo, mais de dois meses após a morte do cantor.

 

Entre os convidados estavam os astros de Hollywood Elizabeth Taylor e Macaulay Culkin, e o reverendo Jesse Jackson. A lista de personalidades publicada pela imprensa inclui ainda a diva Diana Ross, as atrizes Brooke Shields e Mila Kunis, o cantor Steve Wonder, e Lisa Marie Presley, ex-mulher de Michael.

 

Os irmãos de Michael Jackson - Randy, Jackie, Tito, Jermaine e Marlon - retiraram o caixão do cantor, folheado a ouro, do carro funerário. Todos estavam vestidos de maneira idêntica, com ternos pretos e usando uma única luva branca - figurino tornado famoso pelo astro.

 

A cerimônia durou mais de uma hora e contou com a apresentação de Gladys Knight, artista que conhecia Michael desde que era criança. A família do "rei do pop", com seus pais, Joe e Katherine, à frente, ocuparam a primeira fila de assentos, onde também estavam seus irmãos e seus três filhos, Prince Michael, Paris e Prince Michael II.

 

As fortes medidas de segurança em volta do cemitério desde o começo do dia quinta-feira evitaram as aglomerações dos fãs do "rei do pop" que, com a impossibilidade de se aproximar do funeral, acabaram optando por ficar em casa.

 

"A família Jackson quer agradecer, mais uma vez, todos os fãs de Michael mundo afora por sua generosa demonstração de apoio durante esta época terrivelmente difícil", anunciou um comunicado dos familiares do cantor após a cerimônia.

 

Ao término da cerimônia, a comitiva de veículos dos presentes no funeral se dirigiu ao restaurante italiano Villa Sorriso, em Pasadena, a 12 quilômetros do cemitério, em um ato considerado uma "celebração da vida do 'rei do pop'".

 

Os custos da cerimônia foram cobertos pelo espólio de Jackson, após decisão judicial que favoreceu pedido da mãe do cantor, Katherine. "Os gastos são extraordinários, mas Michael Jackson era extraordinário", disse o procurador Jeryll Cohen. Segundo ele, uma das razões para o alto preço é o fato de que foram compradas 12 covas, apesar de ainda não ter sido revelada a razão da compra.

 

O enterro estava originalmente marcado para o último sábado, dia 29 de agosto, quando o cantor teria completado 51 anos, mas a data foi adiada para dar mais tempo à família para preparar a cerimônia.

 

Os irmãos Jackson vestidos em homenagem a Michael. Foto: Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.