David Zalubowski/AP
David Zalubowski/AP

Após gerar comoção, garoto do balão é encontrado na garagem

Falcon estava sendo procurado depois que TVs noticiaram que ele estaria em balão que voou por duas horas

estadao.com.br,

15 de outubro de 2009 | 19h49

Após diversos policiais e bombeiros de Colorado (EUA) terem dispensado enormes esforços em localizar um garoto de seis anos que teria subido em um balão da família e sobrevoado o céu de Denver por duas horas, mas que não foi encontrado após a aterrissagem do veículo, as autoridades finalmente encontraram Falcon Heene: ele estava escondido dentro de uma caixa, no sótão da garagem de sua casa.

 

O que se pensou ser o drama de uma criança de seis anos voando, sozinha, a esmo em um balão, atraiu boa parte da imprensa americana. Emissoras de TV acompanharam o voo do veículo ao vivo. Quando o balão finalmente chegou ao chão, em um pouso tranquilo, a surpresa: Falcon não estava ali. Chegou-se a se pensar no pior, ou seja, que o garoto teria caído de uma enorme altura. No entanto, após analisar o equipamento caído, a polícia passou a acreditar que o menino não chegou a entrar no artefato.

 

A comoção de sociedade, imprensa e polícia começou após o irmão de Falcon Heene dizer que viu o garoto de seis anos entrar no balão antes que o veículo saísse e percorresse uma distância de cerca de 80 quilômetros. Horas mais tarde o pai das crianças, Richard Heene, confirmaria que um de seus filhos viu o caçula entrando  no veículo.

 

 

Balão caseiro percorreu distância de 80 quilômetros                                            Foto: Reuters

 

 

O balão era um "experimento científico" dos pais da criança, Richard e Mayumi Heene, e estava amarrado do quintal da casa da família. Segundo um site de relacionamentos, os Heenes são cientistas amadores que se dedicavam a "procurar por alienígenas" e pesquisar sobre tempestades. O balão em formato de disco voador seria enviado para colher dados durante uma tempestade.

 

Ainda não está claro como que o balão deixou o jardim da casa da família Heene e começou a voar. Porém, o motivo do garoto ter se escondido foi revelado pelo próprio. Falcon, em entrevista ao jornal New York Times, disse que alguns dias atrás, seu pai já havia lhe dado uma bronca por ter entrado no balão. Então, quando viu o veículo sair voando, rapidamente se escondeu, com medo de ser repreendido novamente. "Fiquei com medo, não queria me meter em problemas", disse Falcon.

 

Para alívio do garoto, seu pai já afirmou que foi um "acidente" e que não irá colocar a culpa em ninguém. Richard Heene inclusive aponta o que pode ter ocasionado o voo do balão: "Era para ele estar amarrado embaixo, porém não estava", lamentou.

O artefato construído pelos pais de Falcon voou de Fort Collins a Keenesburg, por cerca de 80 quilômetros, e chegou a uma altitude aproximada de 3 mil metros, segundo a polícia. A Guarda Nacional enviou um helicóptero militar OH-58 Kiowa para o resgate, e outra aeronave se preparava para decolar. A ideia era lançar um cabo para capturar o balão.

Pilotos de ultraleves também foram acionados; eles tentariam jogar pesos sobre o balão, para fazê-lo perder altitude. Mas o equipamento acabou murchando sozinho, o que o fez desacelerar e cair em um campo. Depois da queda, sem sinais da presença de Falcon, as buscas se concentraram no bairro em que mora a família.

Autoridades procurando Falcon após a aterrissagem do balão                                        Foto: AP

As cenas do estranho balão voando desgovernado foram transmitidas ao vivo e comoveram o país. Mas, o episódio também causou transtornos no tráfego aéreo do Colorado. A Agência Federal de Aviação cancelou, por 15 minutos, todas as decolagens do aeroporto de Denver. Os controladores aéreos tiveram de desviar os voo na rota do balão.

 

Com informações da Efe, Agência Estado e AP.

Tudo o que sabemos sobre:
balãoFalcon HeeneEUADenvergaroto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.