Após matar 118, furacão Noel ruma para os Estados Unidos

De categoria 1, o furacão já é o mais letal a atingir o Atlântico na temporada de tempestades de 2007

Assciated Press,

02 de novembro de 2007 | 14h27

O furacão Noel, a tempestade mais letal do Atlântico deste ano, cresce em força e tamanho ao acelerar rumo às águas do sudeste dos Estados Unidos nesta sexta-feira, 2, depois de atingir o Caribe.  Não se espera que o furacão ganhe força pelas próximas 24 horas, partes da Costa Leste americana poderão sofrer com chuvas fortes, e o Noel poderá ganhar tamanho. As chuvas provocadas pelo furacão causaram enchentes e deslizamentos de terra no Caribe, matando 118 pessoas. Depois de encharcar as Bahamas e Cuba na quinta-feira, o furacão, ainda na categoria 1 - a escala de força de furacões vai até 5 - seguiu para o norte das Bahamas nesta sexta. Com ventos sustentados de 118 km/h, o furacão desloca-se na direção Norte-Nordeste a cerca de 29 km/h.  Um especialista do centro Nacional de Furacões dos EUA, Jack Beven, disse que não se espera que o olho do furacão  cruze a costa americana. Mas ele destacou que a tempestade ganhará tamanho e que seus efeitos poderão se fazer sentir nos Estados Unidos, com chuvas de até 10 centímetros. Cuba As autoridades cubanas mantêm as medidas de proteção no leste do país, onde as chuvas associadas à passagem da tempestade tropical "Noel" forçaram a remoção de quase 30 mil pessoas e causaram grandes danos econômicos. Las Tunas, com 11.500 pessoas retiradas de suas casas; Holguín, com mais de 11 mil; e Guantánamo, com mais de 6 mil são as províncias mais afetadas, informou o telejornal da TV estatal. Em Ciego de Ávila, as chuvas inundaram 5.500 hectares de plantações. O país perdeu 18.686 toneladas de produtos agrícolas, como banana, milho, feijão, tomate e pepino, avaliadas em mais de 14 milhões de pesos cubanos (US$ 560 mil), disse a fonte. Em Guantánamo os transportes estão em colapso. Existem várias comunidades isoladas, da mesma forma que nas províncias de Granma e Las Tunas. O corte na eletricidade e telefone se estendem por toda a região leste. O último relatório do Centro de Previsões do Instituto de Meteorologia cubano informou que as chuvas continuarão afetando a região durante os próximos três dias. Por isso, uma comissão do Partido Comunista e do governo decidiu "manter as medidas de proteção da população e da economia, adotadas no domingo".

Tudo o que sabemos sobre:
furacãonoelcaribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.