Após veto dos EUA, palestinos dizem que 'reavaliarão' processo de paz

Decisão americana é 'desequlibrada', diz negociador palestino; Israel pediu volta do diálogo

estadão.com.br

18 Fevereiro 2011 | 20h47

RAMALLAH - A Autoridade Nacional Palestina (ANP) anunciou nesta sexta-feira, 18, que vai "reavaliar" o processo das negociações de paz com Israel em conjunto com a decisão dos EUA de vetar uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) que considera os assentamentos judaicos na Cisjordânia como ilegais, disse uma fonte da Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

"Vamos reexaminar a avaliação de todo o processo das negociações", disse à agência AFP Yasser Abed Rabbo, secretário-geral do Comitê Executivo da OLP e um dis principais negociadores palestinos. "Trata-se de uma decisão desafortunada e desequilibrada, que afeta a credibilidade da administração americana", acusou.

 

Os EUA vetaram nesta sexta a resolução da ONU, que também pede a paralisação imediata da expansão das colônias. Logo após o veto, os israelenses convocaram os palestinos a retomarem as negociações diretas de paz. Não houve resposta da ANP até o momento.

 

Os EUA dizem condenar a expansão dos assentamentos, mas afirmam que levar o caso à ONU só dificultará a retomada do processo de paz. Israel é aliado de longa data dos americanos e, caso a administração de Washington não vetasse a resolução, seria bastante criticada pelos parceiros.

 

O processo de paz foi retomado em setembro do ano passado graças à mediação americana, mas o fim de uma moratória temporária decretada por Israel sobre a expansão das colônias voltou a esfriar o diálogo. Os palestinos afirmam que só voltam às negociações caso os israelenses interrompam completamente as construções. A questão dos refugiados palestinos e o status de Jerusalém são outras complicações que devem ser discutidas entre as partes.

 

Leia mais:

linkEUA vetam resolução da ONU contra assentamentos

linkIsrael convoca palestinos a retomarem diálogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.