Aprovação a Bush sobre Iraque cresce, aponta pesquisa

Apoio ao presidente se dá principalmente entre republicanos, homens e independentes

Ansa e Efe,

13 de setembro de 2007 | 10h17

A opinião dos americanos sobre a estratégia do presidente George W. Bush para o Iraque teve uma pequena melhora, segundo pesquisa divulgada na quarta-feira, 12, pela rede de televisão NBC e o diário The Wall Street Journal. Veja Também Bush deve anunciar retirada de 30 mil soldados do Iraque A apresentação da pesquisa de opinião pública foi publicada na véspera do anúncio do presidente americano, George W. Bush, sobre a nova estratégia para a guerra no Iraque. No discurso que será transmitido pela televisão nesta quinta-feira, Bush deve aceitar a recomendação do comandante norte-americano no Iraque, general David Petraeus, de retirar do país o reforço de 30 mil soldados em meados do ano que vem.  A enquete indicou que 30% dos americanos aprovam a forma como o presidente está manejando a situação no Iraque, o que representa oito pontos percentuais a mais que em julho último. Por outra parte, a enquete indicou que 35% dos entrevistados acreditam que a derrocada de Saddam Hussein não justificou o alto custo financeiro da invasão do Iraque e a morte de soldados americanos. Sobre os planos para uma retirada militar, 24% disseram que os soldados dos EUA deveriam permanecer no país árabe até que este fosse uma "democracia estável". Segundo o democrata Peter Hart, que organizou a pesquisa junto com o republicano Neil Newhouse, o resumo é de que "a vitória não é possível e a guerra não valeu a pena". No entanto, para Newhouse a consulta revela que "existe a sensação" de que se avançou no assunto. "No entanto, politicamente, os americanos necessitam ver mais (avanços) para justificar a presença" de tropas dos EUA no Iraque, completou. A pesquisa foi realizada com 1.002 adultos americanos entre as últimas sexta e segunda-feira e tem margem de erro de 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos. Retirada de tropas O plano de Petraeus fará com o número de militares dos EUA no Iraque fique em 130 mil, basicamente o mesmo nível registrado antes de Bush determinar um incremento no número de tropas em janeiro, para ajudar a estabilizar Bagdá. Senadores da oposição democrata já rejeitaram o plano do general, alegando que ele fica aquém do que a população norte-americana deseja.

Tudo o que sabemos sobre:
BushEUAIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.