Efe
Efe

Ariel Castro é encontrado morto por enforcamento na prisão nos EUA

Legista de Ohio afirma que sequestrador, condenado à prisão perpétua, cometeu suicídio

O Estado de S. Paulo,

04 de setembro de 2013 | 08h49

(Atualizada às 15h46) CLEVELAND - Ariel Castro, condenado à prisão perpétua pelo sequestro, estupro e espancamento de Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight, foi encontrado enforcado em sua cela na prisão na terça-feira, disse uma autoridade correcional do Estado.

Um legista de Ohio disse nesta quarta-feira, 4, depois da realização de uma autópsia, que Castro cometeu suicídio ao se enforcar com um lençol.

O ex-motorista de ônibus escolar, que se declarou culpado por 937 crimes em julho, estava isolado de outros presos no Centro de Recepção Correcional, em Orient. Funcionários da prisão encontraram Castro enforcado por volta das 21h20 (23h20, no horário de Brasília), disseram autoridades.

A morte ocorre um mês depois de um prisioneiro no corredor da morte ser encontrado enforcado em uma outra prisão de Ohio. Uma análise está em andamento. Segundo o legista do condado de Franklin, Jan Gorniak, a causa da morte foi enforcamento e "os resultados eram consistentes com o uso de um lençol."

Castro foi condenado à prisão perpétua em 1º de agosto, além de uma pena de mil anos de prisão, sem possibilidade de liberdade condicional. Ele foi preso em maio, ocasião em que a polícia encontrou uma nota de suicídio e confissão escrita por ele. As três mulheres foram mantidas presas por ele durante dez anos.

O advogado de Castro disse, nesta quarta-feira, que as autoridades prisionais negaram por diversas atendimento psicológico a Castro. "Nós solicitamos a oportunidade para o nosso psicólogo contratado independente ver e avaliar o Sr. Castro, tanto na cadeia do condado como no centro de acolhimento da prisão, onde estava detido. Fomos frustrados em cada uma das nossas tentativas pelo Estado e município", disse Jaye Schlachet à Reuters.

Depois de a equipe médica da prisão tentar reanimá-lo, Castro, de 53 anos, foi transferido para um hospital e declarado morto, cerca de 90 minutos mais tarde, disseram autoridades. "Se o Estado de Ohio vai prender um indivíduo, deve proteger o indivíduo de si e dos outros", disse Schlachet.

Castro estava preso no Centro Correcional de Acolhimento, uma instalação de processamento prisional nos arredores de Columbus, capital do Estado, cerca de 240 km ao sudeste de Cleveland. Ele permaneceria lá enquanto era submetido a avaliação física e mental, antes de ser transferido para uma prisão permanente, disseram as autoridades penitenciárias./ REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Ariel CastroClevelandEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.