Arizona promulga lei que proíbe ensino de temas étnicos em escolas

Governadora já vinha sendo criticada por lei que transforma imigração ilegal em crime estadual

Associated Press,

11 Maio 2010 | 23h06

Jan Brewer foi retratada como nazista em protesto de imigrantes no mês passado

 

PHOENIX- A governadora do Arizona, Jan Brewer, promulgou nesta terça-feira, 11, uma lei que proíbe os programas de educação de tratarem temas étnicos em um distrito escolar de Tucson.

 

O chefe das escolas do estado, o republicano Tom Horne, afirmou que este programa de estudos promove o "chauvinismo étnico" e gera ressentimento em relação aos brancos.

 

A nova lei proíbe as aulas que defendam a solidariedade entre os membros de uma etnia, que estejam dirigidas primordialmente a estudantes de um grupo racial em particular ou que promovam o preconceito a certo grupo.

 

O Distrito Escolar Unificado de Tucson nega que este programa provoque ressentimento entre os estudantes.

 

Seis especialistas em direitos humanos da ONU se disseram nesta terça preocupados com essa medida, porque consideram que qualquer pessoa deve ter a possibilidade de aprender sobre sua própria herança cultural e linguística.

 

Brewer tem sido alvo frequente de protestos de grupos de direitos humanos e de imigrantes por ter aprovado no mês passado uma lei que declara imigração ilegal como crime estadual.

 

Trata-se do mais severo conjunto de medidas contra imigrantes clandestinos da história dos Estados Unidos. A nova lei confere à polícia o direito de deter qualquer pessoa suspeita de estar nos EUA sem documentos.

 

Os critérios para as prisões, de acordo com grupos de defesa de direitos humanos, serão raciais: hispânicos, negros e asiáticos estão na mira. Assim, imigrantes em situação regular e cidadãos americanos poderão ser abordados pela polícia apenas em razão de sua aparência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.