Ataques do Taleban poderão aumentar, alertam EUA

Relatório do Pentágano aponta que grupo terrorista ganhou força e criou resistência no Afeganistão

Reuters,

27 de junho de 2008 | 18h40

O Taleban criou uma "resistência impermeável" no Afeganistão e provavelmente irá manter ou aumentar o ritmo dos ataques neste ano, informou o Pentágono nesta sexta-feira, 27. Em um reporte para o Congresso americano, o órgão também apontou que áreas da fronteira com o Paquistão que abrigam insurgentes são as maiores ameaças à segurança afegã.   Veja também: Congresso dos EUA aprova US$ 162 bi para Iraque e Afeganistão   O informe diz que Washington e seus aliados conseguiram um progresso substancial desde a retirada do Taleban do poder após os ataques de 11 de setembro contra os EUA, mas os próximos sucessos levarão tempo e irão requerer mais que apenas medidas militares.   "O Taleban se reagrupou após cair do poder e se uniu em uma resistência impermeável", afirmou o comunicado. Em um sinal da crescente ansiedade dos EUA e outras nações ocidentais no aumento da violência no Afeganistão, o Congresso pediu o abrangente informe quando aprovou o orçamento anual do Pentágono para este ano.   O reporte ainda aponta que as forças americanas e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) mataram alguns líderes insurgentes e removeram algumas fortalezas dentro do país. "O Taleban irá desafiar o controle do governo afegão em áreas rurais, especialmente no sul e no leste", acrescenta o informe de 72 páginas.   Áreas tribais   "O maior desafio para a segurança a longo prazo no Afeganistão são os santuários insurgentes na Áreas Tribais de Administração Federal (Fata) no Paquistão", continua o relatório. Oficiais americanos disseram que os santuários cresceram recentemente porque forças paquistanesas pararam de pressionar os insurgentes enquanto o governo tentava um acordo de paz com as tribos locais.   O comandante americano das forças da Otan no Afeganistão oriental declarou nesta semana que os ataques rebeldes cresceram 40% neste ano, e o secretário da Defesa dos EUA, Robert Gates, culpou esse aumento pela falta de pressão no lado paquistanês da fronteira.   Os Estados Unidos têm cerca de 32 mil soldados no Afeganistão. Aproximadamente 14 mil servem como parte das 53 mil forças da Otan designadas à estabilização do país, enquanto 18 mil executam missões de treinamento anti-terrorismo.  

Mais conteúdo sobre:
AfeganistãoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.