Ataques matam 5 soldados dos EUA em Bagdá

Cinco soldados dos Estados Unidosmorreram, incluindo quatro em uma única explosão, duranteoperações de combate ao sul de Bagdá no sábado, disse nestedomingo o Exército norte-americano. Outros quatro soldados ficaram feridos no acidente, mas nãoforam divulgados mais detalhes sobre a explosão. Em outro comunicado, os militares dos EUA disseram que umquinto soldado foi morto por fogo de armas leves quando faziauma patrulha a pé no sudeste de Bagdá, no sábado. Os militares dos EUA disseram que os soldados são parte daForça Tarefa Marne, enviada a regiões do sul de Bagdá paraimpedir o fluxo de armas, explosivos e de militantes sunitas exiitas para a capital. Cerca de 30.000 soldados foram enviados ao Iraque desdefevereiro, como parte de uma campanha de segurança destinada aganhar tempo para que o dividido governo de coalizão em Bagdácumpra uma série de objetivos políticos estabelecidos porWashington. As mortes elevam para 3.689 o número de soldados dos EUAmortos no Iraque desde a invasão de 2003 para derrubar SaddamHussein. Pelo menos 31 soldados dos EUA foram mortos até agora nomês de agosto. O tenente-general Raymond Odierno, segundo na linha decomando dos EUA no Iraque, disse no sábado que houve queda nonúmero de mortes depois de uma forte alta em maio e junho. Ele afirmou que o número de mortes estava quase igual ao dejulho, quando 80 soldados morreram. Comandantes norte-americanos advertiram sobre um provávelaumento de vítimas dos EUA já que as tropas estão entrando emregiões perigosas que estavam fora dos limites das forças. Eles também temem mais ataques de milícias xiitas e da AlQaeda antes da apresentação de um relatório importante sobre asituação do Iraque ao Congresso, previsto para meados desetembro. Odierno disse também que o Irã está fornecendo mais armas,incluindo bombas para instalação em estradas, a combatentesxiitas para tentar influenciar o debate em Washington antes daentrega do relatório.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.