Reuters
Reuters

Atirador é identificado após ser encontrado morto nos EUA

Homem invadiu centro de imigração no Estado de Nova York e matou ao menos 13 pessoas e depois se matou

Associated Press,

03 de abril de 2009 | 17h43

Um oficial de Justiça disse nesta sexta-feira, 3, que o atirador de Binghamton foi encontrado morto após, provavelmente, se suicidar. O funcionário, que não se identificou, falou que foi encontrado um documento que identifica o suspeito como Jiverly Voong, de 41 anos, morador de Johnson City, em Nova York. Voong invadiu um centro de imigração da American Civic Association e abriu fogo, matando ao menos 13 pessoas, conforme o chefe de polícia local, Joseph Zikuski, afirmou.

 

Veja também: 

linkEUA: homem invade centro de imigração e mata ao menos 13

linkObama lamenta ataque em centro de imigração nos EUA

 

Em entrevista coletiva, Zikuski informou que "ainda não se conhecem os motivos" do ataque. O chefe policial destacou ainda que 37 pessoas foram retiradas com vida do prédio, onde foram recuperadas duas armas.  A recepcionista, segundo Zikuski, foi uma das primeiras pessoas feridas no ataque. Então, ela se fingiu de morta, engatinhou até uma sala da associação e ligou para o número de emergências.

 

Segundo um boletim policial divulgado pela emissora WBNG, o homem entrou no edifício e começou a atirar. No início dos disparos, muitas pessoas fugiram para um sótão no escritório. Mesmo assim, "12 ou 13" pessoas morreram no ataque conforme o próprio governador do Estado de Nova York, David Paterson, confirmou. Ao menos outras 12 pessoas ficaram feridas com os disparos. Armado com um fuzil de alta potência, Voong teria mantido ao menos 20 reféns. Estima-se que havia 40 pessoas na associação quando o prédio foi invadido.

 

O atirador bloqueou a porta traseira do edifício com seu carro antes de entrar pela porta da frente. Voong tinha sido demitido recentemente da IBM de Johnson City, informou o deputado Maurice Hinchey, cujo distrito inclui Binghamton. Segundo o parlamentar, o atirador abriu fogo contra uma classe de cidadania americana. "As pessoas estavam lá para fazerem o teste para conseguir cidadania", disse ele por telefone. "Foi no meio de um exame. Ele entrou e atirou".

 

A American Civic Association se descreve como uma entidade de ajuda a imigrantes e refugiados, com serviços como aconselhamento, apoio ao processo para cidadania, reunificação de famílias e tradutores, entre outros. A organização também intervém em emergências, como brigas, fome ou falta de moradia, segundo seu site na internet.

 

Mike Chanecka, um amigo da presidente da associação, Angela Leach, disse pelo telefone que ela "está muito triste agora", enquanto Angela chorava ao fundo. "Ela não sabe de nada, está tão chocada quanto qualquer um", falou ele. "Por alguma razão, ela tirou o dia de folga hoje. Ela está muito preocupada com a secretária dela".

 

Duas mulheres e um homem feridos estavam sendo tratados no Wilson Medical Center. O estado de saúde de uma era considerado estável, segundo a porta-voz do hospital Christina Boyd. Outra pessoas estava em estado grave e a última em estado crítico. A idade das vítimas vai de 20 a 50 anos, afirmou ela. Um quarto ferido foi levado para o Hospital Our Lady of Lourdes.

  

  

O ataque ocorreu num bairro misto de casas e pequenas empresas no centro de Binghamton, município de 47 mil habitantes a noroeste da cidade de Nova York.

 

Atualizado às 18h19 para acréscimo de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
Nova YorkEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.