Atirador mata 5 e se suicida em universidade de Illinois

Homem invadiu classe com cerca de 140 estudante e começou a atirar indiscriminadamente; 17 ficaram feridos

Agências Internacionais,

14 de fevereiro de 2008 | 20h23

Um rapaz, descrito por testemunhas como um "jovem branco e magro", entrou num auditório da Northern Illinois University, na cidade de Dekalb, a 105 quilômetros de Chicago, e atirou em pelo menos 17 estudantes nesta quinta-feira, 14, suicidando-se em seguida. Cinco pessoas - quatro mulheres e um homem - morreram no incidente, segundo a polícia.   Veja também: Há uma semana, 15 morriam em tiroteios Relembre o massacre de Virginia Tech  Site da universidade Site do hospital   A chacina aconteceu às 15 horas de quinta-feira - 19 horas de Brasília. Segundo testemunhas, faltando 5 minutos para terminar uma aula de geologia, o atirador, vestindo roupa e gorro pretos, chutou a porta de um auditório no Cole Hall, na região central do câmpus. Segurando duas pistolas e um fuzil, ele subiu no palco e começou a atirar indiscriminadamente contra os cerca de 140 alunos que assistiam à aula. Após cerca de dois minutos de gritos e choros, o rapaz se suicidou.   Alguns se jogaram no chão. Outros tentaram se esconder atrás das carteiras. Estudantes contaram à rede de TV ABC que viram colegas de classe serem atingidos na nuca, no olho, na cabeça e caírem sangrando no chão. Em seguida, o pânico espalhou-se pelo auditório, com dezenas de jovens correndo em direção à saída.   O chefe da polícia da cidade disse já ter a identidade do atirador, mas não a revelou. Segundo o reitor da Universidade, John Peters, trata-se de um estudante da pós-graduação, mas atualmente ele não estava matriculado. De acordo com a polícia, o rapaz não disse nada antes de abrir fogo.   O estudante Edward Robinson disse para a TV WLS de Chicago que o atirador tinha como alvo estudantes de uma determinada parte do auditório. "Era como se ele soubesse em quem estava atirando", disse. Várias testemunhas afirmaram que ele ainda teve sangue-frio para recarregar a munição algumas vezes.   Pelo menos 17 pessoas deram entrada no hospital Kishwaukee, a 26 quilômetros do câmpus. Três apresentavam ferimentos graves na cabeça.   "Dos 17 feridos, três estão em estado crítico. Dois têm ferimentos na cabeça e um foi ferido no peito", afirmou Theresa Comitas, porta-voz do hospital, ao Estado, por telefone. De acordo com ela, oito vítimas estão estáveis e outras seis apresentavam ferimentos leves.   Segundo o reitor, 18 pessoas ficaram feridas no incidente. Peters não quis confirmar o número de vítimas fatais, e ainda não está claro se os cinco mortos relatados pela polícia estão entre total de feridos.   O estudante George Gaynor, que estava na sala durante o incidente, declarou ao jornal estudantil Northern Star cerca de cinco minutos após os disparos que "uma garota levou um tiro no olho".   A polícia chegou rápido ao câmpus e isolou completamente a área. A universidade emitiu um alerta pelo seu site e cancelou as aulas desta sexta-feira. Os policiais demoraram duas horas para liberar a área porque ainda havia a possibilidade de haver um segundo atirador - o que foi descartado em seguida.   Texto atualizado à 1h15

Mais conteúdo sobre:
Chicagotiroteio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.