Ativista ataca grupo pró-Bush com molho de tomate e é preso

A Polícia australiana também reprimiu cerca de 50 manifestantes que abaixaram a parte de trás das calças

EFE

07 de setembro de 2007 | 04h42

Uma pessoa foi detida nesta sexta-feira durante as manifestações contra o Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) por lançar molho de tomate num grupo de ativistas partidários do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. A Polícia australiana também reprimiu cerca de 50 manifestantes que abaixaram a parte de trás das calças para expressar sua rejeição ao Fórum. Membros da organização Aussies 4 Anzus, defensores incondicionais da aliança militar entre Austrália e EUA, criticavam os manifestantes que protestavam contra a cúpula econômica, da qual Bush participa ao lado dos líderes dos outros 20 países do bloco. Um dos ativistas anti-Apec se aproximou dos agentes da Polícia que protegiam os pró-Bush, e mesmo de longe conseguiu manchar de vermelho um cartaz com a frase "Apoiamos Bush, amamos a América".  O homem foi rendido imediatamente pela Polícia e não opôs resistência. Foi a primeira pessoa detida na cidade durante os protestos contra a cúpula do Apec. Do outro lado do parque, perto de um dos hotéis de luxo da cidade, outro grupo de ativistas mostrou o traseiro às delegações, como parte da campanha Bums for Bush ("Traseiros para Bush"). A Polícia aumentou sua presença na área, enviando veículos antidistúrbios e helicópteros. Artistas e jornalistas de um programa de televisão criaram na quinta-feira um comboio que se fez passar pela delegação canadense e chegou a ruas do centro da cidade fechadas ao público pelo dispositivo de segurança. Onze membros do programa de humor e atualidades "The Chaser" foram detidos e acusados de violar as normas de segurança. Eles foram soltos após o pagamento de uma fiança.

Tudo o que sabemos sobre:
Bush, EUA, Apec

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.