Auditoria indica 'confusão'em pagamento do Pentágono a terceirizadas

Segundo documento, empresas pagas para gerenciar reconstrução afegã não coordenaram seu trabalho

Reuters,

27 de outubro de 2010 | 19h12

WASHINGTON- Uma equipe de auditoria dos Estados Unidos afirmou nesta quarta-feira, 27, que US$ 17 bilhões gastos pelo Pentágono, Departamento de Estado e a Agência Americana para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês) para a reconstrução do Afeganistão entre 2007 e 2009 foram enviados a sete mil contratantes "por meio de um sistema confuso".

 

Veja também:

linkBin Laden ameaça França por presença militar no Afeganistão

link'Nós não sabíamos dos abusos em prisões iraquianas', diz Tony Blair

 

A Inspetoria Geral para a Reconstrução do Afeganistão (SIGAR) declarou que a primeira auditoria incompreensível de entidades privadas de segurança contratadas pelo governo americano na guerra afegã demonstram um "labirinto confuso" de agências que não coordenou seu trabalho satisfatoriamente.

 

"Não há um banco de dados central do governo dos EUA para rastrear projetos de reconstrução das várias agências e departamentos americanos e muito menos da comunidade internacional", informou a SIGAR em um comunicado anexo à auditoria.

 

Um exemplo citado pelo órgão foram quatro terceirizadas usadas pelo Departamento de Defesa para gerir contratos de reconstrução do Pentágono.

 

"A auditoria descobriu que não apenas as quatro terceirizadas não coordenam e dividem informação umas com as outras, mas também que há uma divisão mínima de informações entre agências do governo", diz a SIGAR.

 

As 7.000 agências contratadas pelo governo incluem organizações comerciais e também sem fins lucrativos, organizações multilaterais como a ONU ou o Banco Mundial e algumas agências federais, acrescenta o documento.

 

O órgão justifica a importância da auditoria "porque se nós não sabemos nem a quem estamos dando dinheiro, é praticamente impossível conduzir um sistema bem supervisionado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.