Aumento do salário mínimo pode afetar lucro das empresas, diz Obama

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse na quinta-feira que aumentar o salário mínimo, conforme ele propôs, pode diminuir o lucro das empresas, mas acrescentou que as companhias norte-americanas estão obtendo ganhos importantes e precisam de consumidores com dinheiro para gastar.

Reuters

15 de fevereiro de 2013 | 07h45

"Pode ter algum impacto modesto nos lucros", disse ele em uma sessão de perguntas e respostas online realizada pelo Google+.

"Mas o ponto da questão é que, se vamos ter uma sociedade com a prosperidade difundida, esses mesmos empresários precisam se preocupar em fazer com que os consumidores tenham dinheiro na carteira", afirmou.

Os lucros das empresas norte-americanas atingiram recordes, beneficiados pela retomada da produtividade, disse Obama. Ao mesmo tempo, os salários e ganhos dos trabalhadores permaneceram estagnados, de acordo com o presidente.

"Há muitos países que estão competindo muito bem --alguns dos nossos maiores competidores, países como Alemanha, por exemplo-- que tiveram pagamentos maiores e crescimento dos ganhos", disse.

Em seu discurso do Estado da União na terça-feira, Obama pediu ao Congresso para aumentar o salário mínimo para 9 dólares por hora dos atuais 7,25 dólares. Esse aumento retiraria muitos trabalhadores da linha da pobreza e ao mesmo tempo elevaria o gasto dos consumidores, um componente-chave para o crescimento econômico, disseram Obama e assessores.

Alguns economistas criticaram a proposta de Obama, afirmando que vai prejudicar os trabalhadores sem capacitação ao reduzir as contratações. A proposta também enfrenta resistência da Câmara dos Deputados, controlada pelos republicanos.

(Reportagem de Mark Felsenthal)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAMINIMOEMPRESASLUCRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.