Autor de massacre em cinema buscou ajuda psicológica, diz defesa

CENTENNIAL, ESTADOS UNIDOS - O ex-universitário James Holmes, que matou 12 pessoas e feriu 58 no mês passado dentro de um cinema do Colorado, tem uma "doença mental" e procurou ajuda antes do massacre, disse seu advogado no tribunal na quinta-feira, 9.

KEITH COFFMAN, Reuters

10 de agosto de 2012 | 10h20

O defensor público que representa Holmes fez, durante uma audiência sobre o acesso da imprensa a documentos do processo, repetidas alusões a uma doença mental não-especificada, no primeiro sinal de uma possível estratégia da defesa baseada na inimputabilidade do acusado.

"Ele tentou obter ajuda para a sua doença mental", disse Daniel King sobre seu cliente, de 24 anos, que responde por 24 acusações de homicídio doloso e 116 de tentativa de homicídio. Ele responde por duas acusações de assassinato por cada vítima morta no massacre --uma por assassinato em primeiro grau e outro por assassinato com extrema indiferença.

Holmes foi ao tribunal com a barba por fazer e vestindo uniforme marrom de presidiário, com algemas nas mãos e tornozelos. Seu cabelo, antes tingido de laranja, agora está desbotando e ficando rosa. Ele olhou para frente na maior parte do tempo, e não conversou com os advogados.

Documentos protocolados há duas semanas pela defesa diziam que Holmes havia se consultado com a diretora de saúde mental discente do campus onde ele estudava até desistir da sua pós-graduação em neurociência.

Essa psiquiatra, Lynne Fenton, alertou a polícia do campus e uma equipe de avaliação de ameaças internas sobre o comportamento do seu paciente.

Advogados de Fenton e do policial a quem a denúncia foi feita não quiseram falar à Reuters para comentar esses relatos. A universidade também não quis se pronunciar, mas informou ter contratado um ex-procurador federal para investigar seu relacionamento com Holmes.

Como em muitos Estados dos EUA, profissionais de saúde mental do Colorado são obrigados a alertar às autoridades se considerarem que um paciente representa uma ameaça iminente de violência física contra um alvo específico.

(Reportagem adicional de Dan Whitcomb)

Tudo o que sabemos sobre:
EUACOLORADOAJUDADEFESALEGAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.