Autor de massacre nos EUA escondeu rifle no casaco

O ex-estudante de 19 anosque matou oito pessoas e cometeu suicídio na quarta-feira em umshopping center de Nebraska entrou no local escondendo o riflenum casaco e começou a disparar sem dar aviso assim que saiu doelevador no terceiro andar, disse a polícia no dia seguinte aocrime. Robert Hawkins deixou mensagens de texto e voz paraparentes e amigos. "Ele aparentemente estava vivendo algunsproblemas de saúde mental, idéias de suicídio", afirmou o chefede polícia Thomas Warren a jornalistas. As vítimas tinham entre 24 e 66 anos e incluíam cincofuncionários da loja de departamentos Von Maur. Warren disse que Hawkins fez mais de 30 disparos. "Pareceque as vítimas foram escolhidas aleatoriamente." Há quatro feridos, dois deles em estado grave, segundo opolicial. Uma quinta pessoa passou mal durante o incidente. A análise das fitas do circuito interno de TV e entrevistasrevelaram, segundo Warren, que os seguranças do shoppingWestroads, desarmados, perceberam que o rapaz entrara com umrifle no local. Hawkins rapidamente pegou o elevador até oterceiro andar e começou a disparar assim que a porta se abriu. A julgar pelas imagens, ele aparentemente entrou com a armaenvolta num suéter com capuz. Warren disse que o rifle forafurtado do padrasto do adolescente, mas ainda não se sabe seele havia sido adquirido legalmente. O jornal Omaha World-Herald disse que Hawkins haviarecentemente perdido o emprego numa lanchonete, acusado defurtar 17 dólares, havia rompido com a namorada e se sentiainútil. "Sou um pedaço de merda, mas agora vou ser famoso",declarou ele num bilhete reproduzido pelo jornal. Hawkins morava desde 2006 com a família de uma namoradaadolescente, cuja mãe contou que ele recentemente lhes mostrouo rifle -- a mulher achou que a arma era velha demais parafuncionar. O jornal disse que os pais de Hawkins se divorciaram quandoele tinha 3 anos e que ele passou algum tempo sob a guarda deestranhos. A mãe da ex-namorada contou que ele aparentemente tentavamudar de vida. "[Quando soube do massacre] pensei: 'Oh, meuDeus, tomara que não seja Robbie"', afirmou. Foi então que elaachou o bilhete, que incluía um testamento. Casos como esse são comuns nos Estados Unidos, onde a possede armas é disseminada e garantida pela Constituição --algosobre o que a Suprema Corte em breve deverá se pronunciar. A Casa Branca lamentou essa "terrível tragédia." (Por Michael Conlon)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.