Autoridades apuram incêndios criminosos na Califórnia

Equipes afirmam ter encontrado provas de que fogo foi provocado ;pelo menos quatro pessoas foram presas

Agências internacionais,

26 de outubro de 2007 | 12h35

Autoridades iniciaram nesta sexta-feira, 26, investigações em Orange County e Riverside, na Califórnia, para apurar os responsáveis pelos incêndios que destruíram 1,8 mil imóveis e desalojou mais de 1 milhão de pessoas.  Veja também:Incêndios deixam 1 milhão de desabrigadosSeis corpos são encontrados carbonizados Chamas ameaçam mansões de famososIncêndios atrapalham filmagens de seriados Reportagem da CBC (YouTube)Reportagem da Midwest Television (YouTube) Segundo a CNN, o xerife de Orange County anunciou uma recompensa de US$ 250 mil por informações que levem aos criminosos que provocaram as chamas. O FBI também participa das investigações. "Alguém que chega a pensar em iniciar um incêndio, num local em que se sabe que as chamas podem se espalhar rapidamente, é totalmente inconsciente". Segundo o chefe dos bombeiros da região, o incêndio tem características criminosas e foi causado deliberadamente por alguém. Ele disse ainda que foram encontradas evidências de que o fogo foi provocado. O Departamento Florestal da Califórnia também considerou os incêndios em Riverside como criminosos. Em San Bernardino, San Fernando, e San Diego, quatro pessoas foram presas sob a acusação de provocar as chamas. Porém, nenhum dos suspeitos têm ligação com os grandes focos provocados no sul do Estado. Patrulheiros de fronteira americanos descobriram quatro corpos carbonizados em montanhas próximas à fronteira com o México e dois em uma casa em San Diego, elevando o provável número de vítimas fatais dos incêndios na Califórnia para 12, no momento em que os bombeiros passaram a controlar a maioria dos incêndios no Estado. Acredita-se que as quatro vítimas tentavam entrar nos Estados Unidos ilegalmente quando foram dominadas pelo fogo. Outras pessoas morreram em acidentes durante a evacuação das regiões atingidas, no maior deslocamento humano do tipo da história da Califórnia. Com a redução da temperatura, ventos mais fracos e umidade mais alta há esperança de que os bombeiros consigam controlar os incêndios mais devastadores da história do Estado americano. Visita de Bush Em visita de quatro horas à região de San Diego, a mais afetada pelos incêndios, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, ressaltou que seu governo vai dar ajuda financeira às vítimas. "Não vamos esquecer de vocês em Washington", disse o presidente. "Queremos que as pessoas saibam que dias melhores virão, que hoje sua vida pode parecer triste, mas amanhã a vida será melhor. E queremos ajudar, na medida em que o governo federal puder." Segundo o correspondente da BBC em Washington, Justin Webb, a postura de Bush mostra que ele aprendeu uma lição com o furacão Katrina, em 2005.Webb afirma que, por mais que a Casa Branca pense que os governos locais devem arcar com a responsabilidade nesse tipo de situação, ficou claro para o presidente que o que ele fizer durante uma situação de desastre tem importância. "O que vemos agora, e que não vimos durante o furacão Katrina, é um grande esforço dos governos local, estadual e federal e das agências federais", disse David Paulison, diretor do órgão federal de coordenação de situações de emergência.

Tudo o que sabemos sobre:
califórniaEUAincêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.