Ban lamenta vazamentos do Wikileaks e pede respeito a seu cargo

Para secretário-geral da ONU, deve haver equilíbrio entre direito à informação e exercício da diplomacia

Efe,

17 de dezembro de 2010 | 20h13

NOVA YORK- O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon,lamentou nesta sexta-feira, 17, o vazamento de milhares de documentos confidenciais americanos pelo site Wikileaks.

 

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

 

O máximo responsável da ONU afirmou que deve haver "um equilíbrio justo" entre o direito à informação dos cidadãos e o "necessário exercício confidencial da diplomacia".

 

"É lamentável que esses documentos secretos tenham sido vazados. Mas qualquer que seja a motivação de quem os vazam, o certo é que dificultará o exercício normal e razoável de nosso trabalho, principalmente no mundo diplomático", declarou Ban a jornalistas.

 

Um dos documentos vazados pelo Wikileaks inclui instruções do Departamento de Estado americano para que sua missão na ONU recolha informações pessoais dos funcionários do órgão mundial, como números de cartões de crédito e dados sobre Ban.

 

Sobre esse assunto, Ban não se disse afetado pelos interesses da diplomacia dos EUA, mas pediu respeito ao cargo que ostenta. "Sou bastante transparente, mas deve haver uma maneira decente e responsável de respeitar a privacidade e confidencialidade de meu trabalho como secretário geral".

 

Após a divulgação do documento há quase três semanas, a ONU recordou que a Carta das Nações Unidas, o Convênio de Sede e a Convenção das Nações Unidas outorgam privilégios e imunidade ao organismo.

 

Leia ainda:

linkFundador do WikiLeaks diz temer acusações de conspiração dos EUA

linkAssange não infringiu leis na Austrália

linkÍndia aplica técnicas de tortura na Caxemira

linkEUA temem por falta de segurança na Índia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.