Bill Clinton critica estratégia internacional 'adotada' por Bush

Em entrevista ao Le Figaro, o ex-presidente defende a candidatura de sua mulher

Efe,

08 de outubro de 2007 | 06h34

O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton (1993-2001) criticou seu sucessor, George W. Bush, por ter adotado uma estratégia internacional consistente em "fazer sempre o que quiser e cooperar apenas quando for necessário". "Tem de ser ao contrário: cooperar sempre que for possível e atuar sozinho unicamente quando for necessário", assegura Clinton em entrevista publicada nesta segunda-feira, 8, pelo jornal francês Le Figaro. Para o ex-presidente, um exemplo disso é a intervenção militar no Iraque, cujas conseqüências são negativas a partir do momento em que o mundo é interdependente e que resulta em uma imagem negativa dos EUA em todo o planeta. Ele reconheceu que todos os países têm direito a defender seus interesses, "mas com a condição de respeitar uma espécie de consenso sobre a direção geral que deve o mundo seguir". Clinton aproveitou para defender a candidatura de sua mulher, Hillary, à Casa Branca, ao afirmar que se for escolhida será notada "muito rapidamente" uma melhora da imagem dos EUA no mundo. "Há gente que gosta odiar os EUA, mas a maior parte está em desacordo com as políticas que impulsionamos", afirma Bill Clinton, para quem a imagem melhora consideravelmente nos países nos quais Washington aplica programas de ajuda ao desenvolvimento.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABill ClintonIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.