Bin Laden acusa os EUA e faz ameaça direta contra Israel

O líder da Al-Qaeda afirmou que os Estados Unidos buscam controlar o petróleo iraquiano

Reuters e AP,

29 de dezembro de 2007 | 18h14

O líder da Al Qaeda, Osama bin Laden, promete levar a "jihad", ou guerra santa, a Israel, em uma mensagem de áudio postada na internet neste sábado.   "Gostaria de garantir ao nosso povo na Palestina que levaremos nossa jihad para lá", afirmou. "Pretendemos libertar a Palestina, do rio (Jordão) e até o mar", declarou, ameaçando "sangue por sangue, destruição por destruição".   Na mesma gravação, ele acusa os Estados Unidos de tentarem tomar o controle do petróleo do Iraque e instou os iraquianos a rejeitarem esforços para reconstruir um governo de unidade apoiado por Washington. Bin Laden disse que Washington queria construir bases militares no país e dominar a região. O líder terrorista instou iraquianos a rejeitarem o plano e disse que quem tomar parte nele estará virando as costas para o Islã. Isso significa "dar aos norte-americanos todo o petróleo do Iraque que desejam", proclamou Bin Laden.   Além disso, o líder da Al-Qaeda fez uma advertência aos sunitas iraquianos que estão combatendo a Al-Qaeda ou tomando parte no governo de unidade nacional patrocinado pelos Estados Unidos.   "Os piores traidores são os que vendem a religião pela vida mortal", diz a gravação atribuída a Bin Laden.   Ampliado às 19h15  

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIRAQUEBLADENPETROLEO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.