Bin Laden diz que Obama segue os passos de Bush

Al-Qaeda acusa presidente americano de criar novas guerras ao incentivar ofensiva do Paquistão contra Taleban

Efe,

12 de julho de 2009 | 10h05

O líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, disse que o presidente americano, Barack Obama, "seguiu os passos de seu antecessor (George W. Bush), ao aumentar o rancor dos muçulmanos e daqueles que lutam contra a América", em uma gravação de áudio divulgada esta madrugada em um site islâmico.

 

Na gravação de 26 minutos dirigida ao povo paquistanês, Bin Laden acusou também Obama de criar "novas e prolongadas guerras". "Obama ordenou ao presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, e a seu Exército que impeçam que o povo do (Vale de) Swat implante a sharia (lei islâmica) por meio do assassinato, da guerra, do bombardeio e da devastação", acrescentou.

 

Esta é a primeira mensagem de Bin Laden desde a divulgada em 3 de junho, através da rede de televisão Al Jazira, e na qual também acusou Obama de seguir o caminho de seu antecessor e de fomentar o rancor em relação aos muçulmanos. Na nova gravação, acompanhada de um texto em inglês, Bin Laden insistiu no apoio americano ao governo paquistanês em sua luta contra os mujahedins do Vale de Swat.

 

O líder da Al-Qaeda, em sua mensagem, cuja autenticidade não foi possível verificar, pergunta aos paquistaneses se apoiam a implantação da sharia ou aqueles que lutam contra ela, como a América, Zardari e seus aliados. "Se estão com o primeiro grupo, deem graças a Deus porque lhes guiou na defesa do Islã. Continuem a jihad (guerra santa) por sua causa. Mas, se apoiam Zardari e seus soldados, estão em perigo", ameaçou.

 

Para o dirigente do grupo terrorista, Zardari e seu Exército são "aliados de Satã" e mobilizam uma guerra contra "a sharia de Alá, seguindo a causa do ídolo americano".

Tudo o que sabemos sobre:
Osama bin LadenEUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.