O terrorista em uma de suas gravações
O terrorista em uma de suas gravações

Bin Laden e Al-Qaeda estão enfraquecidos, diz Obama

Suposta gravação do terrorista assumindo responsabilidade por ataque no Natal é indício da perda de força

Reuters

26 de janeiro de 2010 | 11h41

As ações dos americanas contra a Al-Qaeda resultaram no enfraquecimento da organização terrorista, disse nesta terça-feira, 26, o presidente dos EUA, Barack Obama, citando a gravação feita por Osama Bin Laden sobre o atentado frustrado no Natal como a evidência da perda de força dos insurgentes.

 

"A Al-Qaeda está muito enfraquecida em relação ao que estava em 2000. Bin Laden divulgando uma fita em que tenta ganhar crédito por um estudante nigeriano que realizou uma tentativa fracassada de atentado é uma indicação de quão fraco ele está, porque isso não é necessariamente algo dirigido por ele", disse Obama ao programa "Good Morning America", da emissora ABC.

 

"Desde o 11 de setembro, iniciamos uma série de medidas que nos deixaram mais seguros do que éramos antes", disse o presidente ao se referir aos ataques de nove anos atrás ao World Trade Center.

 

Obama tem sido criticado pelos republicanos por sua resposta ao atentado terrorista frustrado no dia do Natal. A Al-Qaeda do Iêmen assumiu a responsabilidade pela tentativa de explodir um avião que voava de Amsterdã para Detroit.

 

Em uma gravação transmitida pela televisão Al-Jazeera no domingo, um homem que disse ser Bin Laden assumiu a responsabilidade pelo incidente do dia 25 de dezembro.

 

A gravação, que as autoridades americanas não puderam verificar se era verdadeira, elogiou o nigeriano responsável pela tentativa de ataque, Umar Farouk Abdulmutallab, e desejou mais ataques contra os EUA.

 

Na segunda-feira, o coordenador da divisão antiterrorismo dos EUA disse ter encontrado indícios nas gravações de que Bin Laden não estaria por trás do atentado.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaBin Ladenterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.