Bolívia celebra Nobel da Paz a Obama, 'prisioneiro do império'

Vice-presidente boliviano, Alvaro García, saudou a decisão do Comitê Norueguês

Reuters,

09 de outubro de 2009 | 15h22

O governo da Bolívia comemorou nesta sexta-feira, 9, a entrega do Prêmio Nobel da Paz de 2009 ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a quem qualificou como "prisioneiro do império" que ele mesmo lidera.

 

O vice-presidente boliviano, Alvaro García, saudou a decisão do Comitê Norueguês do Nobel pouco depois de o presidente "antiimperialista" Evo Morales evitar referir-se a Obama ao falar a dezenas de embaixadores e outros representantes estrangeiros.

 

"Saudamos e celebramos essa nomeação do Prêmio Nobel da Paz, sem dúvida para um presidente que fez muito pelo direito do povo norte-americano", disse García a jornalistas, em um tom amistoso que contrastou com as rusgas frequentes entre La Paz e Washington.

 

O vice-presidente boliviano afirmou que Obama "tem dificuldades" em seu próprio país.

 

"Nós o percebemos prisioneiro de uma rede imperial que se move quase automaticamente por cima dele, mas, acima disso, além desse presidente Obama prisioneiro do império ou da maquinaria imperial, nossa saudação respeitosa, nossas felicitações respeitosas ao presidente Obama por essa nomeação", disse.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUANobelBolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.