Bombardeiro dos Estados Unidos cai após decolagem

Acidente aconteceu na ilha de Guam, no Pacífico; pilotos se salvaram

Agências internacionais,

23 de fevereiro de 2008 | 02h37

Um bombardeiro B-2 Stealth da Força Aérea dos Estados Unidos se acidentou neste sábado, momentos após decolar de uma base da ilha de Guam, território americano no Pacífico. Um porta-voz das Forças Armadas dos Estados Unidos informou que os dois pilotos se ejetaram da aeronave e sobreviveram ao acidente.   "As autoridades médicas avaliaram os pilotos, que se encontram em bom estado", disse a Força Aérea em uma declaração. Ainda não foram divulgados mais detalhes sobre o que ocorreu na base Andersen da Força Aérea.   "O acidente está sendo investigado", disse o porta-voz. Os bombardeiros Stealth operam na base aérea de Whiteman, no Missouri, mas realizam operações em Guam desde 2004, junto aos bombardeiros B-1 e B-52. Cada aeronave custa US$ 1,2 bilhões. O B-2 já foi usado em ações no Afeganistão, Kosovo e Iraque.   As ações militares têm como objetivo reforçar a presença americana na região da Ásia-Pacífico, disseram fontes. O bombardeiro B-2 é um avião de grande autonomia, cuja construção especial permite penetrar escudos de defesa antiaérea.   Não houve feridos em terra ou prejuízos às instalações da base. O bombardeiro não carregava munições.   A ilha de Guam tem presença de forças americanas desde 1898, quando os Estados Unidos capturaram o território, antes espanhol. Os Japão ocupou a ilha durante a Segunda Guerra Mundial, mas os Estados Unidos a recapturaram, construindo uma base aérea no local que viu intensa movimentação de bombardeiros durante as guerras da Coréia e do Vietnã. Os Estados Unidos planejam transferir 8 mil fuzileiros e 10 mil dependentes da ilha japonesa de Okinawa para Guam até 2014, como parte de um realinhamento global das forças do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.