BP deve colocar nova tampa em poço danificado no Golfo do México

A British Petroleum informou que espera fixar nesta segunda-feira uma nova tampa de contenção no poço de petróleo que está vazando no Golfo do México e, com isso, pretende triplicar a quantidade de óleo a ser removido.

KRISTEN HAYS, REUTERS

12 de julho de 2010 | 16h26

"Estamos com a tampa bem próxima do local e ela deverá ser colocada no fim do dia", disse o encarregado da chefia das operações da BP, Doug Suttles, em um balanço para a imprensa.

"Pode bem levar todo o dia para ser concluído."

Suttles afirmou que assim que a nova tampa, que é maior, estiver instalada, a BP vai desativar dois navios que estão retirando óleo do local do vazamento --um dos quais deve começar os trabalhos nesta segunda-feira-- para monitorar a pressão e checar as condições do poço avariado.

Esses testes podem durar 48 horas ou mais, disse ele. Se a tampa funcionar como o previsto, todo o óleo bruto será contido e "não haverá novo fluxo", explicou Suttles.

"Dependendo dos resultados, ou continuaremos a conter o fluxo de óleo enquanto esperamos pelo poço auxiliar ou poderemos interromper o fluxo", disse ele, salientando que mesmo que a tampa possa sustar o fluxo a 1.600 metros sob a superfície, a BP ainda vai terminar o poço auxiliar, em profundidades ainda maiores.

O primeiro dos dois poços auxiliares, cuja construção começou em 2 de maio, está a 58 metros do ponto de interceptação do poço danificado, situado a 3.960 metros sob o leito marítimo, afirmou Suttles. Embora o poço auxiliar possa interceptar o que está avariado até o fim de julho, a BP diz que mantém a meta de estancar o vazamento até meados de agosto.

Se o poço auxiliar fracassar, a petrolífera britânica poderá instalar um novo sistema permanente de absorção do óleo até o fim de agosto ou início de setembro, afirmou o vice-presidente sênior de exploração e produção da empresa, Kent Wells, à comissão instituída pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para investigar o vazamento.

O navio de armazenamento Helix Producer iria começar a operar no domingo, mas surgiram problemas com dois sistemas durante testes, já resolvidos, segundo Suttles.

Uma outra embarcação, o Q4000, coletou e queimou no domingo 8.235 barris de óleo derramado, disse ele.

(Reportagem adicional de Anna Driver e Chris Baltimore)

Tudo o que sabemos sobre:
EUABPVAZAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.