Brasil e EUA assinam acordo de cooperação militar

Brasil e EUA assinam acordo de cooperação militar

Plano prevê troca de tecnologia, cooperação e treinamento entre as Forças Armadas dos países

12 de abril de 2010 | 19h11

Nelson Jobim e Robert Gates assinam acordo às margens da Conferência de Segurança Nuclear

 

 

Patrícia Campos Mello, de O Estado de S. Paulo

 

WASHINGTON- O ministro da Defesa, Nelson Jobim, assinou nesta segunda-feira, 12, um acordo de cooperação militar com o ministro da Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates. O acordo facilita a venda de 100 a 200 Super Tucanos da Embraer para os Estados Unidos, um contrato que pode chegar até a US$ 3 bilhões. Além disso, prevê troca de tecnologia, cooperação e treinamento entre as forças Armadas dos dois países.

 

Veja também:

linkChina concorda em impor sanções ao Irã, segundo oficial dos EUA

linkONU proporá cúpula para discutir tratado sobre material nuclear

especialOs últimos eventos da crise nuclear

linkSaiba mais sobre o TNP

linkO que está em jogo no encontro

 

O encontro se deu às margens da Conferência de Segurança Nuclear, que terá participação de 47 países, sendo 40 chefes de Estado. O principal tema da cúpula é o terrorismo nuclear e como evitar que materiais nucleares caiam nas mãos de terroristas. Em seu discurso histórico feito em Praga há um ano, o presidente americano, Barack Obama, propôs que todos os materiais nucleares vulneráveis sejam postos em locais seguros em um prazo de 4 anos. E na Revisão da Estratégia Nuclear divulgada na semana passada, o terrorismo nuclear - possibilidade de terroristas roubarem urânio ou plutônio para fazer uma bomba - é descrito como "a maior ameaça contra os EUA".

 

Nesta segunda, a Ucrânia anunciou que está abrindo mão de todo seu urânio altamente enriquecido até 2012 e converter suas usinas para operarem com urânio com baixo nível de enriquecimento.A Ucrânia é um dos maiores produtores de urânio enriquecido do mundo.

 

O presidente Luís Inácio Lula da Silva se reuniu no início da tarde com o primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi e assinou um acordo de cooperação entre os dois países. Depois, reuniu-se com o primeiro-ministro Yukio Hatoyama, do Japão. Na pauta, discussões sobre investimentos japoneses em fábricas de semi-condutores no Brasil - que seriam a contrapartida pela escolha do padrão japonês de TV digital. Também vão discutir a participação na concorrência para o trem bala que vai ligar São Paulo, Campinas e Rio de Janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilEUAacordomilitar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.