Bush alerta Irã para não interferir no Iraque

O presidente dos EUA,George W. Bush, acusou na terça-feira o Irã e a Al Qaeda defomentarem a instabilidade no Oriente Médio, e disse que umaforma de conter as ambições de Teerã é vencer a guerra noIraque. Ele também alertou que forças extremistas ficarãofortalecidas caso os EUA deixem a região, permitindo que o Irãdesenvolva armas nucleares e promova uma corrida armamentista. "O Irã pode concluir que somos fracos e não conseguimosimpedi-los de obter armas nucleares", disse Bush. O presidente e outros funcionários dos EUA há muito tempoacusam o Irã de fornecer armas para insurgentes no Iraque. Naterça-feira, em discurso a veteranos de guerra, Bush endureceusua postura, ao comparar o Irã à Al Qaeda. "A forma mais importante e imediata de conter as ambiçõesda Al Qaeda, do Irã e de outras forças da instabilidade e doterror é vencer a luta no Iraque", declarou Bush. Horas antes, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad,havia dito que o poderio dos EUA estava rapidamentedesmoronando no Iraque e que Teerã se dispunha a intervir parapreencher o vácuo. Os Estados Unidos lideram os esforços diplomáticos paraisolar o Irã devido ao seu programa nuclear, que Washingtonsuspeita ter finalidades bélicas. Teerã diz que seu objetivo éapenas gerar eletricidade com fins civis. Bush disse que, atraindo aliados para a imposição desanções econômicas ao Irã, "vamos confrontar o perigo antes queseja tarde demais". O Conselho de Segurança da ONU já impôsdois pacotes de sanções ao Irã desde dezembro devido à questãonuclear. O presidente norte-americano disse que as forças dos EUA noIraque recentemente apreenderam foguetes fabricados no Irã, eque ataques a quartéis e soldados dos EUA com armas fornecidaspelo Irã aumentaram nos últimos meses. Ele acusou ainda aRepública Islâmica de dar armas para o Taliban no Afeganistão. "O regime iraniano deve suspender tais ações. Até que issoocorra, tomarei as ações necessárias para proteger nossastropas. Autorizei nossos comandantes militares no Irã aconfrontarem as atividades homicidas de Teerã", afirmou. Bush, sob pressão da oposição democrata para retirar astropas, disse que os EUA estão comprometidos com uma parceriacom o Iraque, mas que "esta relação de longo prazo não precisaexigir o nível de engajamento que temos hoje no Iraque". (Reportagem adicional de Tabassum Zakaria em Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.