Bush anuncia medidas para combater crise aérea dos EUA

Presidente americano deve dar assistência a passageiros e aumentar multa para quem não embarca

Terence Hunt, da AP,

15 de novembro de 2007 | 17h16

O presidente norte-americano George W. Bush deu o primeiro passo nesta quinta-feira, 15, no sentido de reduzir o congestionamento aéreo e as longas esperas por vôos nos Estados Unidos. A Casa Branca disse que Bush anunciaria uma série de medidas, incluindo ações para dar assistência a passageiros cujos vôos foram cancelados ou atrasaram. O Departamento de Transportes americano traçou determinações para aumentar a multa para viajantes que compram tíquetes mas não embarcam nos vôos. O governo pensa em triplicar o valor da taxa, de US$ 200 para US$ 600. Bush deve anunciar o pacote contra o "apagão aéreo" ainda nesta quinta-feira, na Casa Branca, ao lado da secretária de Transportes, Mary Peters, e do diretor da Federal Aviation Administration (FAA), Bobby Sturgell. A primeira sinalização de Bush no sentido de resolver a crise aérea foi dada em 27 de setembro, quando anunciou que o governo estudava medidas Paar reduzir o tráfego no ar. O presidente pediu urgência ao Congresso para revisar a legislação e assim modernizar a FAA, além de pedir à secretária de Transportes que o informasse rapidamente sobre atrasos e assistência a passageiros. Em 2007, a indústria aérea americana teve a pior performance desde 1995. De acordo com o Departamento de Transportes, 25,2% dos vôos domésticos atrasaram entre janeiro e agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise aéreaEstados UnidosBush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.